• NOVIDADES

    sábado, dezembro 31, 2016

    20 Livros para ler de vez em 2017


    Existem dois tipos de leitores: Aqueles que planejam antecipadamente as leituras do ano e acabam lendo outros livros e abandonando os planos - mesmo que sem querer - e os que não planejam coisa alguma. Pensando na quantidade de livros que nós leitores compramos todos os dias e os deixamos "descansando" um bom tempo na estante, decidi criar esta publicação indicando vinte livros para você ler de vez em 2017. Os livros aqui dispostos são livros nacionais que você fez promessa de ler, e nunca tirou um tempinho para dedicar-se a estas leituras. Porém, a lista também está recheada de livros de outras nacionalidades, livros bem conhecidos. 

    A ideia com a lista não é promover os livros, mas sim, fazer com que você tenha acesso aos melhores livros e as melhores experiências literárias de toda a sua vida. Espero imensamente que você leia e goste das indicações.


    1. Historinhas - Alvaro Hendrick Costa (Amzn)

    "Historinhas" é uma antologia de pequenas histórias sobre situações, pessoas e sentimentos. São textos com tendências obscuras, violentas e angustiantes. A intenção é fazer o leitor se imaginar naquela situação e refletir como seria a sua reação pessoal com aquilo. "Historinhas" é algo que deve ser engolido devagar para evitar indigestões. 

    2. Uma vez você, uma vez eu - Diego Matello (Amzn)

    Uma vez você, uma vez eu é uma história reflexiva que nos leva a fortes reflexões acerca de nossas questões sociais para com nossa família. O livro possui uma psicológica forte e aborda temas do cotidiano - A briga entre pai e filho, a frustração de uma gravidez que não chega, os problemas e conflitos internos, dentre outros.

    3. Coração, cabeça e estomago - Camilo Castelo Branco (Amzn)

    Escrito em 1862, o livro é uma sátira romântica escrita pelo autor português Camilo Castelo Branco que narra a morte em primeira pessoa do personagem principal Silvestre, que viveu toda a sua vida em função do amor. Pode-se considerar que este é um livro dentro de um livro. Incrível!

    4. Ensaio sobre a cegueira - José Saramargo (Amzn)

    O livro do autor português conta a história de uma sociedade que vê-se acometida por um terrível mau - Uma cegueira "branca", também conhecida como leite branco. O livro é um dos clássicos da literatura e narra a trajetória de vida de uma sociedade que encontra-se desnorteada e sem rumo devido a ausência da visão.

    5. Orgulho e Preconceito - Jane Austen (Amzn)

    A história mostra como a personagem Elizabeth Bennet lida com os problemas relacionados à educação, cultura, moral e casamento na sociedade aristocrática do início do século XIX, na Inglaterra. Orgulho e Preconceito, uma das obras mais duradouras da literatura inglesa, ensina a superar diferenças e a encontrar a alegria em tudo o que vivemos.

    6. A solidão dos números primos - Paolo Giordano (Amzn)

    O romance A solidão dos números primos recebeu o prêmio Stregga e a menção honrosa do Campiello, os dois prêmios mais importantes da Itália, onde já foi lido por mais de um milhão e 300 mil pessoas – marca que o elevou ao topo da lista dos mais vendidos. Traduzida em mais de 20 países, a obra chega às livrarias brasileiras pela Rocco. Alice é uma menina que fora forçada pelo pai a ser uma brilhante atleta. Em um dia de treino, sofre uma queda que a deixará marcada para sempre. Mattia é um pequeno gênio da matemática. A caminho de uma festinha de aniversário, deixa a irmã gêmea, da qual se envergonha, sozinha num banco de praça e nunca mais a vê.

    7. Laranja Mecânica - Anthony Burgess (Amzn)

    Clássico eterno da ficção inglesa, Laranja Mecânica é um verdadeiro marco na história da cultura pop e da literatura distópica, fascinando e desconcertando leitores desde seu lançamento, em 1962. A história de Alex, membro de uma violenta gangue de adolescentes que sai às ruas buscando divertimento de uma maneira um tanto controversa, incita profundas reflexões sobre temas atemporais, como o conceito de liberdade, a violência - seja ela social, física ou psicológica - e os limites da relação entre o Estado e o indivíduo.

    8. Dom Casmurro - Machado de Assis (Amzn)

    "Poucos romances examinam com tanta sutileza as artimanhas do ciúme como Dom Casmurro. Publicado em 1899, o livro permanece ainda hoje como um dos mais fascinantes estudos da traição. Aliás, como o leitor mais atento perceberá, são supostamente duas: a de Capitu, exposta pelo marido Bentinho, e a própria narrativa sobre como Bentinho modifica os fatos para corroborar suas suspeitas matrimoniais. Tudo isso é narrado com graça e inteligência num romance que jamais parece esgotar suas possibilidades de leitura. Críticos como Roberto Schwarz e Susan Sontag consideram a obra de Machado como um dos momentos mais altos da prosa ocidental do final do século XIX."

    9. Novelas Exemplares - Miguel de Cervantes (Amzn)

    Antes da publicação da segunda parte de Dom Quixote, em 1613, Cervantes lança uma outra aventura: Novelas exemplares. Como gênero literário, a novela já existia, mas, como nota o próprio Cervantes, ele é o primeiro a tentá-la na Espanha. Ele experimenta o gênero em todas as direções possíveis, com relatos bizantinos, cortesãos ou picarescos. E mais: busca estabelecer um padrão realista, fala do cotidiano das pessoas, de uma Espanha que podia ser vista da janela de casa. É interessante notar como ele, filho de uma sociedade machista, sabe das dores femininas e pinta mulheres inteligentes e espirituosas, quando outros as queriam apenas lindas e submissas. É exemplar como Cervantes, homem de temperamento satírico, conseguiu despistar a censura, deixando transparecer entre exaltações aos reis e à Igreja, seu país violento e sensual, trapaceiro e cobiçoso, em que o estupro, por exemplo, é aceito com naturalidade, e um casamento é o único sinal de respeito que se tem pelas mulheres. A edição traz aparatos críticos de estudiosos do autor, notas, poemas em sua versão original e ilustrações.

    10. Antologia de Literatura Fantástica (Amzn)

    Numa noite de 1937, ao conversar sobre ficções fantásticas, três amigos – Jorge Luis Borges, Adolfo Bioy Casares e Silvina Ocampo – resolveram criar uma antologia com seus autores preferidos. Três anos depois, foi lançada a Antologia da literatura fantástica, consolidada em sua edição definitiva 25 anos depois, obtendo enorme sucesso não só de estima como de público. Do filósofo Martin Buber ao explorador Richard Burton, passando pela tradição dos contos orientais, além de Cortázar, Kafka, Cocteau, Joyce, Wells e Rabelais, são 75 histórias – não só contos, como fragmentos de romance e peças de teatro - que nos apresentam uma literatura marcada pelo imaginário e por um modo diferente de representar a realidade.

    11. Iracema - José de Alencar (Amzn)

    Escrito em 1865, este clássico da literatura brasileira é considerado uma das principais obras do Indianismo. Se você não cismar de sofrer com a língua que é diferente do português que a gente usa hoje em dia e com o estilo poético da narrativa, vai curtir à beça a história de amor entre Iracema e Martim e tudo o mais que este romance revela sobre a cultura indígena e a chegada dos portugueses. Nesta edição especial você tem o texto integral acompanhado de explicações e links bem espertos que o ajudarão a compreender melhor a trama, diferentes estilos de ilustrações e um encarte com o mapa dos personagens para você relembrar quem é quem no romance de José de Alencar.

    12 - O cortiço - Aluízio Azevedo (Amzn)

    O cortiço, livro publicado em 1890, é considerado uma obra-prima do Naturalismo no Brasil. Ainda que notadamente influenciado por Émile Zola, são notórios o vigor e a originalidade de uma narrativa que traz à baila os problemas sociais urbanos da sociedade daquela época — tendo como “palco” principal um cortiço. Pintor de variada galeria de tipos, da representação do cotidiano, Aluísio Azevedo fixou-se nas letras com seu traço forte e também por personificar, com grande destaque, a fase naturalista brasileira.

    13. Terra sonâmbula - Mia Couto (Amzn)

    No Moçambique pós-independência, mergulhado na devastadora guerra civil que se estendeu por dez anos, o velho Tuahir e o menino Muidinga empreendem uma viagem recheada de fantasias míticas. Terra Sonâmbula — considerado pelo júri especial da Feira do Livro de Zimbabwe um dos doze melhores livros africanos do século XX — é um romance em abismo, escrito numa prosa poética que remete a Guimarães Rosa. Mia Couto se vale também de recursos do realismo mágico e da arte narrativa tradicional africana para compor esta bela fábula, que nos ensina que sonhar, mesmo nas condições mais adversas, é um elemento indispensável para se continuar vivendo.

    14. O garoto no convés - John Boyne (Amzn)

    um garoto de Portsmouth, sul da Inglaterra, que sofre abusos de toda sorte, inclusive sexuais, no orfanato e pratica pequenos furtos nas ruas da cidade. Detido pela polícia após roubar um relógio, é salvo pela própria vítima do roubo quando esta lhe faz uma proposta: em vez de ficar encarcerado, embarcaria no  HMS Bounty  para passar pelo menos dezoito meses como criado particular do respeitado capitão Bligh. Turnstile aceita a barganha, planejando fugir na primeira oportunidade. Mas a rígida disciplina da vida no mar e uma relação cada vez mais leal com o capitão transformarão sua vida para sempre. É pela voz desse adolescente insolente e sagaz, mas ao mesmo tempo frágil e ingênuo, que o leitor acompanhará uma viagem repleta de intrigas, tempestades intransponíveis, cenários exóticos e lições de lealdade, paixão e sobrevivência. 

    15. Crime e castigo - Dostoiévski (Amzn)

    Crime e castigo é um daqueles romances universais que, concebidos no decorrer do romântico século XIX, abriram caminhos ao trágico realismo literário dos tempos modernos. Contando nele a soturna história de um assassino em busca de redenção e ressurreição espiritual, Dostoiévski chegou a explorar, como nenhum outro escritor de sua época, as mais diversas facetas da psicologia humana sujeita a abalos e distorções e, desse modo, criou uma obra de imenso valor artístico, merecidamente cultuada em todas as partes do mundo. O fascinante efeito que produz a leitura de Crime e castigo — angústia, revolta e compaixão renovadas a cada página com um desenlace aliviador — poderia ser comparado à catarse dos monumentais dramas gregos.

    16. Madame Bovary - Gustave Flaubert (Amzn)

    Texto de suma importância, Madame Bovary é uma leitura essencial, sendo considerado um dos melhores romances da literatura, sendo, provavelmente, o melhor dos livros do romance realista de caráter psicológico do século XIX. Para mostrar seu mundo, Flaubert põe em cena uma personagem em total desacordo com sua realidade, com sua posição social e com seu sexo. É nessa personagem que se centrarão as ações desenvolvidas na narrativa e os principais dilemas da obra. O enredo gira em torno de Emma Bovary, casada com o médico Charles. Emma vive imersa na leitura de romances românticos e, por viver um casamento enfadonho, procura no adultério a libertação de seus problemas. A trama possui um desfecho trágico, e da criação de Flaubert partem grandes linhas de força do romance moderno e sua repercussão no contexto literário francês e mundial é intensa e permanente.

    17. Diário do subsolo - Dostoiévski (Amzn)

    É difícil ler o Diário do subsolo; é doloroso aceitá-lo. Com uma precisão quase clínica, Dostoiévski traça neste livro o perfil de uma pessoa que, marginalizada social e moralmente, procura vingar-se do mundo inteiro ao qual atribui a culpa de sua humilhação. "Sou um sujeito maldoso!" – reconhece o "homem do subsolo", antecessor dos misantropos por opção do século XX, e sua maldade se volta, desenfreada, contra os inocentes e, muitas vezes, contra ele próprio. A rebelião existencial do indivíduo reduzido à condição de uma "reles mosca" dá início à minuciosa análise das questões cruciais de poder, justiça e liberdade, cujo frágil equilíbrio se reveste de especial importância em nossa época de revisão e contestação dos valores eternos. Abordando-as de modo lúcido e cortante, o gênio das letras russas deixa à humanidade seu aviso atemporal – Cuidado com o subsolo da alma, que suas portas estão sempre abertas!

    18. O Idiota - Dostoiévski (Amzn)

    Um dos mais cultuados romances de Dostoiévski, O idiota narra a história do humanista e epilético Príncipe Míchkin, uma mistura de Cristo e Dom Quixote. A relação entre Míchkin, o mundano Rogójin e a bela Nastácia Filíppovna revelará ao leitor como em um mundo obcecado por dinheiro e poder, o sanatório parece ser o único lugar para um santo.

    19. Os miseráveis - Victor Hugo (Amzn)

    Traduzido por Regina Célia de Oliveira, tradutora juramentada, formada em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas e pela Aliança Francesa de São Paulo. Com introdução de Jean Pierre Chauvin, Pesquisador de Pós-Doutorado, junto ao Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas, na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo. Autor de O Alienista: a teoria dos contrastes em Machado de Assis (2005), entre outros. É afiliado à União Brasileira de Escritores. Um clássico da literatura mundial, esta obra é uma poderosa denúncia a todos os tipos de injustiça humana. Narra a emocionante história de Jean Valjean — o homem que, por ter roubado um pão, é condenado a dezenove anos de prisão. Os miseráveis é um livro inquietantemente religioso e político, com uma das narrativas mais envolventes já criadas.

    20. O corcunda de Notre Dame - Victor Hugo (Amzn)

    Na Paris do século XV, a cigana Esmeralda dança em frente à catedral de Notre Dame. Ao redor da jovem e da igreja, dançam outros personagens inesquecíveis - como o cruel arquidiácono Claude Frollo, o capitão Phoebus, a velha reclusa Gudule e, claro, o disforme Quasímodo, o corcunda que cuida dos sinos da catedral. Com uma trama arrebatadora, que tem a cidade de Paris como bem mais do que um mero pano de fundo, Victor Hugo criou um dos grandes clássicos do romantismo francês, de leitura irresistível. 

    21. Por causa da capa preta (Amzn)


    Ficando órfão ainda muito pequeno, Ricardo aprendeu a se defender de diversas situações difíceis. Sem mais nenhum parente naquele lugarejo, foi obrigado a virar um pedinte( viver nas ruas ) e a se alimentar com as sobras que encontrava. Em certo dia, Ricardo viu na oferta feita por aquele desconhecido, uma oportunidade para mudar de vida.

    22. A mulher que não sorria: Fernanda Elisa (Amzn)

    Dona de um pensionato, Fernanda Elisa era uma mulher misteriosa . Apesar dela ser muito determinada, forte, séria, parecia não ser má pessoa. Mas ela guardava um grandíssimo segredo, que a deixava muito irritada. Com ela trabalhava o Gui, deficiente auditivo. De repente, coisas estranhas começaram a acontecer naquele pensionato, as quais deixavam os hóspedes preocupados e assustados, que por sua vez, tentavam descobrir os tais mistérios, já que corriam sérios riscos de vida.

    -

    A lista foi elaborada pensando na qualidade e excelência editorial. Todos os autores citados acima ou são consagrados na literatura, ou são um dos melhores que você poderá querer em sua estante em 2017. Esperamos que a lista venha a crescer e que você se apaixone tanto quanto nós por livros que transformam.

    Nenhum comentário: