• NOVIDADES

    domingo, janeiro 29, 2017

    [RESENHA] Para que os vivos e os mortos descansem em paz - Danilo Otoch


    ISBN-13: 9788568209042
    ISBN-10: 8568209041
    Ano: 2015 / Páginas: 250
    Idioma: português 
    Editora: Cultura em Letras Edições

    Compre: Livraria Cultura | Cultura em Letras


    Dois ex-terroristas reencontram e sequestram seu ex torturador, obrigando-o a revelar todo o esquema de tortura de civis, e o envolvimento de miliares e políticos na época conhecida como "anos de chumbo" da ditadura brasileira. O livro convida os leitores a uma fantástica viagem aos anos rebeldes do Brasil, quando o país, mergulhado num intenso regime militar, vê sua pátria manchada de sangue e morte. 

    Para que os vivos e os mortos descansem em paz é um livro escrito pelo autor carioca Danilo Otoch. O livro possui uma escrita atual e nos leva a reflexões acerca do regime militar - tópico creio eu, escolhido pelo autor pela sua formação na carreira policial. O livro apesar de ser um romance, leva consigo uma pitada de surrealismo, drama e muito suspense acerca dos fatos nele descrito.

    Danilo Otoch nos apresenta à Marcos, que nos conta os fatos sempre em primeira pessoa. Marcos foi um representante brasileiro ativo no período do regime militar. A proposta da capa do livro é voltada a uma ideia que um outro personagem possui durante o decorrer do livro: Se vingar de alguma forma das pessoas que os torturaram psicologicamente e mataram seus amigos queridos.

    A narrativa é envolvente e nos trás de volta ao regime militar e as reflexões carregadas pelos envolvidos. Um livro que narra não somente a tragédia sofrida durante o regime, mas também as lembranças ruins que permaneceram por conta da tragédia.

    Esquecer é diferente de não lembrar. Esquecer é obliterar. É apagar da mente. Eu esqueci. Esqueci do melhor amigo que já tive na vida. Do homem que uma vez me salvou a vida, e que foi assassinado e ocultado. Pensei em seus pais e irmãos, e pensei na vida que poderia ter levado se não tivesse a vida ceifada tão prematuramente na colheita mais amarga da história do Brasil.
    O livro é um remédio para a cabeça de muitas pessoas. A reflexão trazida neste livro é de extrema importância para que todos possam ter conhecimento de como era em uma época onde o que predominava era o regime militar. O Brasil nos dias atuais passa por sérios problemas políticos, a onde todos votam, decidem quem vai governar e no final de tudo acabam se sentindo insatisfeitos com a escolha. Durante os vários protestos que ocorreram desde a posse e impeachment da até então ex-presidente Dilma Roussef, muitos cidadãos tem apelado com faixas e dizeres: Queremos uma intervenção militar. NÃO, você não quer isso, e você não faz ideia de como será se isso um dia chegar a acontecer.

    Na capa temos um personagem bem interessante: Asmodeus. Asmodeus foi responsável por matar milhares de soldados durante o regime militar e várias outras pessoas inocentes. Asmodeu é capturado por Marcos e seu amigo João que querem vingança  a todo custo e levado sem que ninguém percebesse sua ausência.

    Após uma série de interrogatórios ambos começam a se sentir desconfortáveis. Era um tempo atual, longe da época da ditadura, porém, as memórias eram tão reais e vivas quanto atuais, as dores ainda persistiam. Durante as relevações de Asmodeu Marcos e seu amigo viajavam para um outro lugar dentro de pensamentos e reflexões acerca do regime, dos amigos, companheiros, artilharia, absolutamente tudo.

    O livro é uma narrativa forte, em especial, para quem vivenciou de perto ou conhece alguém que tenha vivenciado. 

    Um mergulho na reflexão. 

    Nenhum comentário: