• NOVIDADES

    sexta-feira, fevereiro 17, 2017

    [ENTREVISTA] Adriana Rocha — Autora de "Quase tudo bem"

    Adriana Rocha | Acervo Pessoal | Divulgação

    Adriana Rocha é a nossa celebridade de hoje. Adriana é autora de "Quase tudo bem", um livro muito divertido que enfatiza a necessidade da companhia de um amigo em momentos difíceis. Confira o release:

    Quase tudo bem conta a história de Laura Soutto, uma secretária executiva muito bem sucedida que ficou desempregada, resolveu aventurar-se e realizar o sonho de pegar a estrada e viajar. Em Penedo, sua primeira parada conheceu Lílian Motta, uma talentosa musicista e cantora da noite que resolve embarcar nesta aventura juntamente com Laura, a fim de conhecer novos horizontes, levando sua graça e musicalidade. Tudo parecia bem, quando Catarina Albuquerque, uma jovem de 23 anos esconde-se no carro de Laura para fugir de um casamento indesejável. Um romance cheio de companheirismo, aventuras e fortes emoções.
    Formada em Enfermagem se rendeu ao amor às letras, às histórias e poesias. Uma mulher que traz dentro de si a força intrínseca do poder natural feminino, com o qual a vida lhe presenteou. E é com esta mulher fantástica que iremos bater um papo hoje.

    1. Como nasceu o seu relacionamento com a escrita? 

    Antes mesmo de receber meu primeiro prêmio, aos 14 anos, eu já escrevia pequenos versos e poemas, gostava muito de ler, lia tudo que passava na minha frente desde os 4 anos de idade, aprendi a ler e gostar de leitura muito cedo.  

    livro "quase tudo bem"
    2. Qual foi o primeiro livro que você escreveu? E como surgiu a ideia de escrever um livro?

    O primeiro livro que eu escrevi se chamava "Eu te acompanho até a cruz" , foi em uma época que senti necessidade de mostrar aos homens que Deus ama sem fazer acepção, foi uma brincadeira que provou raiva entre alguns religiosos e por eles ficarem "putos" lancei em seguida um romance erótico, que causou certa "polêmica" e me fez conhecida, o romnce erótico me rendeu dois prêmios importantes.

    3. Quais suas principais inspirações literárias?

    Não tenho inspiração literária, a vida me inspira: pessoas, animais situações, a natureza... colocar no papel aquilo que eu quero dizer me inspira. 

    4. O que você considera mais difícil durante a escrita de uma história?

    Organizar as idéias, que quase sempre vem como um quebra cabeças, mas na verdade, eu não tenho nenhum tipo de dificuldade na hora de produzir uma obra, geralmente quando começo um livro,  já tenho o esqueleto dela com começo meio e fim, depois é só deixar os personagens tomarem vida.

    5. Quando decidiu se tornar escritor?

    Eu trabalhava em hospitais, ganhava bem, não tinha tempo pra gastar a grana, nem vontade de nada, era completamente infeliz, engravidei do meu filho Matheus e deixei os hospitais, criei um blog onde conquistei muitos leitores, grande parte deles ainda me seguem no Twitter, mas só a 9 anos atrás sai do armário, me assumi "escritora", nasci escritora e nada poderia me fazer feliz além da escrita.

    6. Qual de seus personagens você mais gosta?

    Não tenho predileto, gosto muito da Laura, (Quase tudo bem) das loucuras da Rafela, (20 dias para encontrar um namorado rico),  mas meus personagens são parte de mim, como filhos, uma mãe não tem filho predileto, amo todos..

    7. Como você sente quando recebe um comentário positivo acerca de sua obra?

    Fico "qui nem pinto no lixo" faço a festa, tem horas  que consigo disfarçar, outras eu "me rasgo toda" ali mesmo, na frente do leitor. 

    8. Pretende escrever novos livros? Tem algum projeto em mente chegando?

    Se tem uma coisa que eu pretendo fazer enquanto respirar é escrever e publicar. Quase tudo bem é uma saga de 7 livros, todos estão bem iniciados, capitulados. Lancei o Quase tudo bem o ano passado, o livro dois já está pronto. Estou trabalhando a Biografia da Alexandra Braga, uma transexual que superou os próprios limites e enfrentou os medos até conseguir se ver no corpo certo, uma história de vida e um exemplo de ser humano. Literatura infantil é algo que eu não consigo deixar de fazer, vira e mexe me aparece uma histórinha para contar...

    9. Qual gênero literário você mais se identifica?

    Gosto de biografias, adoro conhecer as pessoas, mas eu gosto de muitas vertentes literárias e trabalho em qualquer uma delas com muita facilidade. 

    Google Images

    10. O que você diria para as pessoas que estão conhecendo tanto você, quanto a sua escrita agora?

    Gente!!! Eu sou muito legal, um pouco doida, mas sou do bem, fiquem comigo! 

    11. O que as pessoas devem esperar da sua escrita?

    Transformação, quero poder transformar a vida das pessoas com tinta e papel.

    12. Qual passagem do seu livro te marcou mais? Existe um trecho que você goste mais que os outros?

    O momento em que tive que "matar" um personagem, e não poderia deixá-lo vivo, mas até hoje alguns leitores me "xingam" por isso rs. Gosto do testo que está na orelha do livro "Quase tudo bem 1" que acabou virando música. 

    13. Como foi a recepção do público com relação ao seu primeiro livro?

    Sensacional, conquistei muitos jovens leitores, muitos prêmios eu estou apaixonada por todos. Foi muito Sempre tive muitos amigos, tenho uma ótima relação com escritores, poetas entre outros artistas, eles fizeram a festa de lançamento por mim.

    14. O que te inspira a continuar escrevendo?

    Toda essa relação que crio com meus leitores, me sinto na obrigação de criar uma obra melhor que a outra. 

    15. O que você diria para alguém que está iniciando a escrita do seu primeiro livro?

    Faça da escrita seu ofício, estude muito escreva; não troque seu trabalho por um cacho de bananas, não se supervalorize nem deixe que diminuam o valor seu trabalho. 

    16.Na sua opinião: Qual o pior erro que um autor pode cometer durante a escrita do seu primeiro livro?

    Ser ansioso na hora publicar, seja em plataformas grátis, pdf ou livro físico, dificilmente um livro está pronto quando achamos que ele está, a melhor pedida é deixar ele "dormindo" por uns três meses e só depois finalizar.  

    17. onde podemos encontrar seus livros para compra? Qual você indica que nossos leitores conheçam primeiro?

    Indico o livro "Quase tudo bem..."  ele pode ser encontrado na Amazon, e no site http://cademeulivro.lojaintegrada.com.br/ mas quando um leitor faz questão de dedicatória eu mesma envio o exemplar é só pedir pelo meu email adrianarochaescritora@gmail.com que eu mando com dedicatória e algum mimo. 

    18: Qual a sua opinião sobre a literatura nacional nos dias de hoje? Acha que é bem divulgada pelos blogs literários e editoras?

    A literatura nacional está batendo um bolão o problema são leitores que ainda não entenderam que nós autores nacionais temos histórias até melhores das que a mídia tem oferecido, mas estamos perto de conquistar esses leitores e fazer eles se orgulharem de nós. 

    19. Se você pudesse dar um conselho para os seus amigos escritores por meio desta publicação, o que você diria a eles?

    Escreva, escreva e escreva... leia muito, leia tudo, leia; estude o tempo todo (até mesmo o comportamento humano)  e não corra atrás de sucesso, grama e fama; gaste seu tempo produzindo.

    20. Obrigado pela oportunidade de conhecer um pouco mais de seu trabalho. Sucessos! 

    Eu quem agradeço a oportunidade de falar do meu trabalho, aqui em sua casa  para seus leitores, todos tesudões, tenho certeza. 

    SOBRE A AUTORA

    Adriana Rocha, nascida em Mogi das Cruzes, é apaixonada por livros desde criança. Formada em Enfermagem se rendeu ao amor às letras, às histórias e poesias. Uma mulher que traz dentro de si a força intrínseca do poder natural feminino, com o qual a vida lhe presenteou. 

    Autora de seis títulos, escritora por paixão, cronista por necessidade de expressão, poetisa por puro tesão de recriar a paixão. Mulher, mãe, escritora, colunista, cronista e metida a contadora de histórias, vencedora de oito prêmio entre eles um internacional, sobe no palco da vida para atuar conforme sua própria peça, com o instinto que lhe conduz nessa pele fêmea, tecendo sua própria teia, no ritmo das letras que saem do seu coração.
    contatos com autora Twitter -  @drika_escritora  
    e-mail: adrianarochaescritora@gmail.com

    Nenhum comentário: