• NOVIDADES

    segunda-feira, fevereiro 06, 2017

    [ENTREVISTA] Christian Petrizi — Autor de "Crimes Bárbaros"

    Christian Petrizi | Acervo Pessoal | Divulgação

    Christian Petrizi (42) é mineiro, Farmacêutico e Bioquímico formado pela UFOP e pela UFJF. Atualmente vive na cidade de Rio das Ostras — RJ, e dedica seu precioso tempo á escrita de novos livros e ao trabalho em sua área de especialização. 

    Christian é autor de Crimes Bárbaros, que foi seu romance de estréia, A incrível cidade que apodreceu (resenha) e Implacável sedução, inexorável solidão (resenha).

    1. Como nasceu o seu relacionamento com a escrita?

    Minha relação com a escrita surgiu em decorrência da minha relação com a leitura, principalmente de grandes autores que admiro. Nem sempre isso acontece. Grandes leitores podem não se interessar ou não desenvolvem necessariamente o dom da escrita. No meu caso sim, e foi acontecendo naturalmente.

    Christian Petrizi e Occelo Olliver (Autor e Editor)
    2. Qual foi o primeiro livro que você escreveu? E como surgiu a ideia de escrever um livro?

    O primeiro livro que escrevi nunca foi publicado, e até mesmo já se perdeu em meio a tantas mudanças de cidade que a minha profissão de Farmacêutico Bioquímico exige. Também não tinha o nível adequado para chegar a ser publicado. Mas a história está em minha cabeça, e quem sabe um dia... Já o primeiro publicado foi Crimes Bárbaros, que ainda pode ser encontrado no site da Saraiva e da Livraria Cultura. Um suspense policial, com generosa dose de humor. Inspirado no casal de detetives de Agatha Christie, Tommy e Tuppence Beresford, os personagens da grande autora que mais amo.

    3. Quais suas principais inspirações literárias?

    Uma delas já respondi: a grande autora Agatha Christie. Mas tenho gosto literário bastante eclético, passando por Monteiro Lobato, Jô Soares, Paulo Coelho, José de Alencar, Rosamunde Pilcher, Mario Vargas Llosa, Arthur Conan Doyle, Gabriel Garcia Marques...

    4. O que você considera mais difícil durante a escrita de uma história?

    O mais difícil é ficar lendo, lendo e relendo o seu próprio texto, cortando, acrescentando, mudando os rumos... Realmente esgotante essa parte.

    5. Quais seus livros? E qual deles você mais gostou de escrever?

    O primeiro foi Crimes Bárbaros, depois vieram Assassinato Online, Perdendo a Cabeça, um conto na coletânea sobre fetiches sexuais Censurado, onde meu conto foi sobre necrofilia. Em seguida entrei para a atual editora, a Cultura em Letras, onde publiquei o livro de contos A Incrível Cidade que Apodreceu, e depois o recente Implacável Sedução Inexorável Solidão. O que mais me enche de orgulho é A Incrível Cidade que Apodreceu.

    A incrível cidade que apodreceu (resenha)
    6. Qual de seus personagens você mais gosta?

    Eu adoro o casal Tony e Gabriel, Tony um investigador profissional e Gabriel um repórter que sempre se envolve nas investigações do companheiro, mesmo contra a vontade dele. Eles estão nos livros Crimes Bárbaros e Perdendo a Cabeça, e sempre fico com a sensação de que poderia ter trabalhado melhor em suas histórias, o que a inesperiência do início da carreira literária impediu. Novamente, quem sabe um dia...

    7. Como você sente quando recebe um comentário positivo acerca de sua obra?

    Comentários, críticas e resenhas sempre me deixam com um sorriso no rosto. De verdade! Elogiando ou criticando algum ponto do texto com qual não concorda, significa que a pessoa leu seu trabalho, e isso é maravilhoso para qualquer autor. Eu particularmente procuro pensar muito sobre o que acharam dos meus textos.

    8. Pretende escrever novos livros? Tem algum projeto em mente chegando?

    Sim, pretendo escrever novas histórias. Estou desenvolvendo um texto no momento, mas muito mais lentamente que os anteriores, por falta de tempo e também para tentar aprimorar minha técnica. Estou escrevendo a nova obra com muito mais cuidado e carinho.

    9. Qual gênero literário você mais se identifica?

    Obviamente o suspense policial! Em todas as minhas histórias ele está presente, em suas diversas facetas.

    10. O que você diria para as pessoas que estão conhecendo tanto você, quanto a sua escrita agora?

    Eu diria: Vocês estão conhecendo um escritor autodidata, intuitivo, que optou por escrever e lançar quando um mínimo de qualidade fosse atingido e quando algo relevante para ser escrito fosse alcançado, alguém que decidiu se aprimorar com a experiência. Muitos excessos foram cometidos nos primeiros trabalhos, um pouco menos nos mais recentes, e pretendo melhorar a cada livro.

    11. O que as pessoas devem esperar da sua escrita?

    Entretenimento com algo relevante a ser discutido. É o que eu busco.

    Implacável Sedução, Inexorável Solidão
    12. Qual passagem do seu livro te marcou mais? Existe um trecho que você goste mais que os outros?

    Eu gosto muito de A Incrível Cidade que Apodreceu. E o primeiro parágrafo do último conto resume bem o tema do livro, que é a degradação ética e moral (não no sentido conservador, é bom frisar!) da população.

    13. Como foi a recepção do público com relação ao seu primeiro livro?

    A recepção a Crimes Bárbaros foi estimulante. No lançamento em Minas, meus conterrâneos prestigiaram em peso meu primeiro livro. As vendas também foram ótimas. Na verdade, esse foi meu trabalho que mais vendeu durante seus dois primeiros anos. Até hoje escuto leitores pedindo uma nova história com os personagens Tony e Gabriel.

    14. O que te inspira a continuar escrevendo?

    O prazer de poder me expressar, de levar meu ponto de vista sobre determinados temas a outras pessoas. Isso é o que mais me inspira.

    15. O que você diria para alguém que está iniciando a escrita do seu primeiro livro?

    Eu diria: Insista se a sua paixão é mesmo a escrita. Encontre o meio mais adequado para sua publicação e siga em frente. Não é fácil escrever, publicar, e muito menos divulgar. Mas, quando esse é realmente nosso objetivo, a gente consegue.

    Lançamento do livro "Implacável Sedução, Inexorável Solidão"
    16. O que você tem a dizer para os leitores do catraca seletiva?

    Assim como reaprendemos a curtir o cinema nacional, é preciso reaprender também a gostar da literatura brasileira. Ela tem muito a oferecer, em vários gêneros, com cenários que são familiares aos brasileiros, e isso é importante para manter nosso registro no mundo. Não é preciso deixar de ler best sellers, autores consagrados internacionalmente. Eu também leio todos eles. Mas experimentem os livros BR, abram espaço para autores iniciantes como forma de incentivá-los. Vocês encontrarão histórias instigantes, temas importantes, e a nossa língua ainda será preservada.

    17. onde podemos encontrar seus livros para compra? Qual você indica que nossos leitores conheçam primeiro?

    Christian Petrizi durante lançamento do seu livro
    Meus recentes trabalhos estão disponíveis com frete grátis para todo Brasil no site da própria editora, em promoção de verão. Ótima oportunidade, tanto A Incrível Cidade quanto Implacável Sedução Inexorável Solidão estão lá com preço reduzido até o final da temporada. Basta entrar em www.culturaemletrasedicoes.com.br para comprar. São os dois que recomendo para que conheçam melhor meu trabalho. Quem desejar também os primeiros, esses podem ser encontrados nos sites da Livraria Cultura e Saraiva. Basta buscar pelo meu nome Christian Petrizi.

    18. É chegado ao fim da nossa entrevista. Muito obrigado pela oportunidade e pela paciência. Sucessos !

    Eu agradeço a oportunidade que o Portal Catraca Seletiva me ofereceu para divulgar meu trabalho. Encontrar quem divulgue com paixão pelos livros, como vocês fazem, é maravilhoso. Muito obrigado!

    Nenhum comentário: