• NOVIDADES

    sábado, fevereiro 11, 2017

    [RESENHA] O ascendente — Ceres Marcon


    ISBN: B01L5S1PB8

    Ano: 2016 / Páginas: 271
    Idioma: português 
    Editora: Cafeína Literária

    Sua alma foi forjada entre dois mundos opostos. E, por toda sua vida, sentiu arder em seu âmago estas partes conflitantes. Apenas na prática do exorcismo encontrava tanto um propósito quanto um punhado de paz. Os seus desígnios, no entanto, viriam, cedo ou tarde, imporem-se sobre seu destino. E, logo, céu e inferno estariam contra ele, tornando-o, além de pária, um fugitivo. Junto a ele, como única aliada, o amor de sua juventude em quem ele não pode confiar. Esta é a saga de Thomas, o ascendente.

    O ascendente foi o primeiro livro nacional que se enquadra no gênero fantasia que eu li, e como tudo o que é novo, a gente sempre estranha um pouco, porém, a escrita de Ceres é tão descritiva e maravilhosa, que é impossível abandonar o livro para se dedicar a outra coisa.

    O enredo narra a vida de Thomas. Existem apenas duas classes predominantes de criaturas mágicas: Anjos e demônios. Thomas é um mestiço, filho de um anjo chamado Haziel e de um demônio chamado Stella. Assim como Thomas, existem as Nefilins, que são outras criaturas mágicas mestiças. Ser uma criatura mágica é o mesmo que ser amaldiçoado, você viveria sendo caçado sempre pelo céu e pelo inferno, afinal, não existe local apropriado para você se encaixar, os demônios jamais confiariam em alguém que possui uma metade anjo, e os anjos jamais confiariam em alguém que é metade demônio, afinal, o criador fez tudo perfeito, sem meios termos.

    Logo no início do livro uma fuga é narrada: A de Stella com Thomas e Jezebel. Stella é um demônio extremamente poderoso, porém, os anjos eram sempre mais potentes e poderosos e disso ninguém duvidava. Esta fuga que é narrada no início do livro é uma explicação básica de tudo o que está por vir. O céu e o inferno buscam por Thomas, criaturas pelo céu e pelo chão decidem empenhar-se na caça de Thomas, porém, havia um problema: Thomas é metade anjo e metade demônio, ou seja, ele possui poderes de ambas as criaturas mágicas, e uma delas, era o poder de camuflar a sua aura, isso fazia com que sua presença não fosse notada pelos anjos e se passasse por humano.

    De um lado: Thomas e Stella, do outro, Caliel e Haziel. Caliel é o arcanjo responsável por capturar Thomas e leva-lo consigo, Haziel é pai de Thomas, que pretende defender o filho com unhas e dentes. Tanto Haziel quanto Stella estão presentes dentro do filho Thomas (não literalmente) — É como se o filho pudesse sentir as dores, angustias, decepções e glória dentro de si, através dos pais —. Durante a batalha, o céu se enchia de luzes esverdeados e azuis, como em um show pirotécnico. Caliel golpeia fortemente o irmão Haziel e o mata, em sucessão, mata Stella. Thomas agora estava só, sem ninguém e precisava conseguir uma forma de vingar seus pais, mas não sabia como.

    15 ANOS SE PASSARAM

    Após 15 anos do acontecimento, Thomas torna-se um exorcista e vai morar com um padre chamado Júlio. Aparentemente está tudo calmo, até que Thomas passa por um dos momentos mais surpreendentes do enredo (para mim), sendo ele:

       O ônibus fez uma parada inesperada. O burburinho de vozes começou a crescer, todos interessados nos quatro homens com o uniforme da polícia que obrigaram o motorista a levar o veículo até o acostamento.

      Thomas reconheceu os anjos. Visualizava-os através das energias que liberavam e através de seus olhos enegrecidos. Tronos comandados por Caliel. 

       Olhou o assento à frente, levantou-se e sentou ao lado de uma jovem pequena de belos loiros e olhar curioso. Ele sorriu de forma tranquila enquanto entrava em sua mente, fazendo-a aceita-lo e dar-lhe a mão.

    — O que eles estão fazendo? — Ela encarou Thomas como se fossem velhos conhecidos.
    — Devem estar à procura de algum foragido, amor.

       Ela agarrou-se a ele como a um bote salva-vida. O odor pegajoso do medo invadiu o coletivo. Thomas precisava pensar rápido ou teria problemas. Se selasse a mente e os alados não acessassem suas memórias, seria obrigado a lutar e não tinha intenção de atrair mais olhares em sua direção. Não desprezava homens a ponto de vê-los feridos por sua causa. O anjo o guiava para o respeito e lutava contra o demônio que insistia em não se importar. O duelo entre as duas essências atrasava o raciocínio e Thomas reprimiu ambas. 

    (Páginas 24-25)

    É obvio que eu interrompi a narrativa na melhor parte (propositalmente) para deixar aquele "suspense" no ar de "o que será que aconteceu?". Como podem notar na narrativa acima, percebemos que Thomas por ser um mestiço, tinha duas essências, uma da mãe, a outra do pai, e lutava constantemente para que nenhuma delas o controlassem.

    A trama agora é a narrativa pura entre a dedicação de Thomas por vingança aos anjos, pelo o que fizeram aos seus pais, ao padre Júlio e por outros mais. Durante a leitura, vão surgindo diversas personagens que iremos conhecendo aos poucos.

    E como eu sei que fantasia é um dos gêneros mais complexos que existem, irei apresentar uma pequena lista de personagens que surgem ao longo da história, sendo eles:

    Thomas — Mestiço, filho do anjo Haziel com o demônio Stella. Thomas é o personagem principal da história, todos os outros personagens giram em torno dos acontecimentos que o envolvem.

    Stella — Stella é o demônio que gerou Thomas, fruto de um relacionamento proibido com o anjo Haziel.

    Haziel — Anjo que se apaixonou perdidamente por Stella, pai de Thomas.

    Caliel — É um "trono", se conseguir capturar Thomas, será alçado querubim, dai podemos entender melhor o porque da fissura de Caliel por Thomas.

    Barum — Um dos anjos subordinados por Caliel, responsável pela captura de Thomas.

    Mariana — Assim como Thomas, Mariana também é mestiça, uma Nefilin. Após ter tido sua vida poupada por Caliel, ele consegue fazê-la acreditar usando seus poderes, que ela é sua filha, e desde então, Mariana começa a trabalhar para os anjos.

    Jezebel — Uma das "mentoras" de Thomas. Jezebel é uma figura que esta constantemente presente, é uma das personagens que ajudaram a cuidar de Thomas no inferno.

    Entre outros personagens que vão surgindo conforme a narrativa avança. Tem uma personagem em especial que vai despertar raiva em MUITA gente.

    O livro é um misto completo de angeologia, demonologia e muito exorcismo. A escolha da autora por criar um personagem mestiço, atiça a vontade de prosseguir mais e mais com a leitura. A obra possui muitas questões, porém, todas são muito bem elaboradas e resolvidas. Todos os poderes e situações envolvendo Thomas foram minuciosamente pensados e elaborados para uma escrita cheia de emoção e vida.


    COMENTÁRIOS

    A decisão de Ceres em escrever uma fantasia que envolve anjos é algo revolucionário e fantástico em todos os sentidos. O personagem principal, Thomas é alguém muito bem construído e com poderes incríveis. Mestiço? Genial, eu nunca teria pensado em criar um personagem com duplicidade divina.

    Batalhas incríveis, detalhes muito bem elaborados e descrição na dose certa. O livro apresenta uma série de descrições impecáveis. Eu não sei como, mas, Ceres conseguiu escrever uma história descritiva sem deixa-la chata ou tediante, muito pelo contrário, o livro é completamente emocionante. Impossível não ficar apaixonado pela trama e se envolver e mergulhar de forma profunda em suas páginas.

    O livro foi publicado pela editora Cafeína Literária, que fez um excelente trabalho editorial juntamente com a autora. O livro possui imagens apenas na abertura, porém, elas instigam profundamente o leitor á se aventurar pelas páginas e pelo desconhecido que elas escondem.

    Nota-se um cuidado editorial extremo e um trabalho de muito empenho na revisão da obra.

    Conheça o blog da autora: http://ceresmarcon.blogspot.com.br/
    Loja oficial do cafeina literária: http://loja.cafeinaliteraria.com.br/

    Indicando para todo fã de uma boa fantasia com emoções à mil por hora!

    Nenhum comentário: