• NOVIDADES

    quarta-feira, março 15, 2017

    10 livros para compreender a mentira


    Quem é que nunca mentiu para se safar de um problema ou resolver outro? Quem nunca olhou diante do espelho e ficou pensando na mentira que iria contar para o amigo por não saber como dizer um simples não? E claro, quem nunca atreveu-se a mentir para que a responsabilidade de alguma tarefa fosse transmitida a outra pessoa, fazendo-o parecer indisposto e cansado? Há quem diga que finalizaria ou daria por término todo e qualquer relacionamento, não importando o tempo, a intensidade ou o momento, mentiras, não são aceitas. Ao menos, as pessoas acreditam que podem viver em um circulo onde a mentira não se estende e não tem lugar. 

    Crescemos ouvindo de nossos pais que ouviram de nossos avós que "mentira tem perna curta", será mesmo? Será que podemos conviver tão facilmente com mentira e deixar nos levar pelos devaneios que acometem o cotidiano em meio ao nosso dia-a-dia, ou seria melhor enfrentar a realidade das coisas e ver que de fato, somos limitados? Não, não. Assumir que temos erros, que não podemos ou não queremos fazer determinada tarefa, que não estamos afim de sair ou de desenvolver um assunto com alguém, não é para nós. Gostamos de saídas alternativas, rápidas, de fácil acesso, afinal, explicar uma coisa é mais demorado do que simplesmente omiti-la. Quem nunca omitiu acerca de algum evento, acontecimento ou sentimento, que atire a primeira pedra.

    E o que resta as pessoas que dispuseram-se à acreditar que o sentimento era recíproco, que o sentimento era verdadeiro e que a vontade não era supérflua? Quem atreve-se a dizer para si mesmo diante do espelho e da sociedade que a vida é como é, e que todos nós, inclusive eu e você, teremos que conviver com a mentira e aceita-la um dia.

    Pensando na quantidade de problemas que surgem em nosso cotidiano em todas as áreas, decidimos indicar alguns livros que abordam a mentira como premissa do enredo central. A mentira é algo tão intrigante que atiçou a curiosidade de filósofos acerca de indagar-se sobre por que mentimos, como mentimos e como decidimos sobre qual mentira contar primeiro em meia a tantas que surgem em nossa cabeça. 

    Esperamos que gostem das indicações, e claro, boa leitura.

    A MENTIRA - HELEN DUNMORE
    Compre

    Este é um romance sobre afetos e perdas que se passa no devastador cenário da Primeira Guerra Mundial. Daniel Branwell é um jovem soldado que consegue voltar no fim da guerra. No fronte, ele perde seu grande amigo de infância, Frederick Dennis. Em casa, seu retorno é para um vilarejo cheio de ausências e com a notícia do falecimento de sua mãe. Diante disso, o rapaz não se esforça para se comportar como todos esperam que ele faça, considerando que as memórias das trincheiras e de Frederick não lhe abandonam e perturbam sua mente. Neste comovente romance, reconstruir a vida após a guerra parece uma tarefa pesada demais para o protagonista. O enredo, que passeia sobre os temas da lealdade e da amizade, surpreende o leitor ao tratar das difíceis consequências que nossas escolhas têm em nossas vidas.

    SOBRE A MENTIRA — Santo Agostinho

    Compre

    No que consiste a mentira? É lícito mentir? Existe alguma circunstância em que a mentira pode evitar um mal maior? Santo Agostinho examina essas questões à luz da filosofia e, como é comum ao seu pensamento, também no contexto teológico. Nessa tradução inédita, do latim para o português, Santo Agostinho nos ensina que “não podemos seguir outra regra a não ser a de que nunca devemos mentir” e explica por quê. Este opúsculo é considerado obra da juventude de Agostinho, mas ele mesmo acabou por incluí-la entre os seus mais importantes escritos.




    A VERDADE SOBRE A MENTIRA — Maria Jesus Alava Reyes
    Compre

    "Não consigo viver com mentiras!". Quantas vezes não ouvimos esta frase dita de modo definitivo? Mas quando olhamos à nossa volta apercebemo-nos de que é quase impossível excluir a mentira da nossa vida. Todos os dias dizemos "pequenas" mentiras, que utilizamos de forma quase inconsciente mas que afetam a nossa vida e a dos outros. "Estamos quase a chegar" - e sabemos que ainda demoramos mais 20 minutos. "Esqueci-se de comprar bolachas" - e até comprámos, mas é o que dizemos ao nosso filho quando ele nos pede bolachas mesmo antes do jantar. "Não recebi esse e-mail" - e, na verdade, recebemos mas é o que respondemos ao nosso chefe quando nos pergunta se uma tarefa já está feita. Mentimos por hábito ou para nos protegermos? Para ficarmos bem vistos e impressionarmos os que nos rodeiam? Ou para obter uma vantagem adicional? Mentimos por nos sentirmos inseguros, porque temos uma autoestima baixa, por humanidade? Ou mentimos para esconder algo que fizemos de errado? Para manipular os outros? A psicóloga María Jesús Álava Reyes, ensina-nos a detetar as nossas próprias mentiras e as dos outros, a perceber se existe uma relação directa entre mentira e personalidade que leve determinadas pessoas a mentir mais do que outras, quais os erros a evitar para não cairmos nas mentiras alheias ou se temos consciência das nossas próprias mentiras. Mas tão importante como saber por que mentimos será perceber como podemos descobrir quem são os mentirosos à nossa volta e porque frequentemente nos deixamos enganar. Este é um livro essencial para levarmos uma vida mais verdadeira, porque há mentiras no amor, no trabalho, nas relações de amizade ou na política que causam problemas emocionais e que escondem segredos que convém muitas vezes descobrir.

    MENTIRAS QUE PARECEM VERDADES — Umberto Eco

    Comprar



    Um levantamento muito bem-feito sobre os livros didáticos, que enchem a cabeça das crianças de toda sorte de preconceitos, anacronismos e conformismo. Livro imprescindível para os professores refletirem sobre o tipo de visão do mundo que estão transmitindo a seus alunos.











    MENTIRA, UM ROSTO DE MUITAS FACES — Wanderson Castilho
    Comprar
    Renomado especialista em segurança eletrônica e investigação de crimes e fraudes via internet do Brasil, Wanderson Castilho é pioneiro, por aqui, no uso da técnica de detecção de mentiras pela análise das microexpressões faciais – que se tornou sensação graças ao seriado de televisão Lie to Me. Em Mentira, Um Rosto de Muitas Faces, Wanderson lança mão de sua expertise para narrar como aplica a técnica de detecção de mentiras em seu trabalho de perito em segurança eletrônica. Faz isso usando como exemplo casos reais, o que dá à narrativa o sabor e até mesmo o suspense de uma boa história de detetives. Uma obra para empresários, pais, maridos e mulheres, jornalistas e todas as pessoas interessadas em saber sobre a verdade em detalhes.




    COMO IDENTIFICAR UM MENTIROSO — David Craig
    Comprar
    Se você está interessando em aprender a detectar mentiras, este livro o ajudará a desenvolver essa capacidade com dicas simples e eficazes sobre como enxergar o que está por trás das aparências e chegar à verdade. Além de ser útil em áreas tão diversas como recrutamento de funcionários, educação, criação de filhos, relacionamentos e negócios, este livro também traz exercícios divertidos e interessantes com os quais você poderá desafiar seus amigos e familiares.






    SOBRE A MENTIRA, PRECEDIDO SOBRE INSPIRAÇÃO POÉTICA — Platão
    Compre
    A obra apresenta dois diálogos do jovem Platão (427-347 a.C.), dos quase 30 de sua autoria que chegaram até nós. Aqui, o principal discípulo de Sócrates usa de toda sua verve brincalhona e irônica para, como lhe é característico, trazer o homem e sua capacidade de conhecimento para o centro da discussão, ocupando o espaço anteriormente destinado à natureza e ao universo. No primeiro diálogo, Sócrates e Íon, um recitador profissional de poesias, debatem sobre a possibilidade de se apreciar uma obra literária e o papel da inspiração na crítica. No segundo diálogo, Sócrates e Hípias versam sobre a mentira e concluem que saber mentir vale mais do que dizer a verdade meramente por não se saber manipulá-la - e que a capacidade de inventar os fatos é em si algo positivo.

    A ARTE DE MENTIR — Cícero Sandroni
    Comprar


    Os temas das crônicas reunidas neste livro são os mais diversos, desde observações bem humoradas sobre o bairro onde o autor mora, no Rio de Janeiro, até questões políticas de impacto mundial. Grande parte dos textos foi publicada no Jornal do Commercio e revelam a face jornalística do imortal da Academia Brasileira de Letras Cicero Sandroni.





    NÃO MINTA PARA MIM! Psicologia da mentira e linguagem corporal — Paulo Sérgio De Camargo
    Comprar
    Fruto de mais de 15 anos de pesquisa sobre o tema, este livro trata da linguagem corporal e, especialmente, da mentira. O objetivo é revelar ao leitor um meio prático de reconhecer as mentiras, lidar com os mentirosos e evitar as armadilhas que as mentiras impõem em diversos contextos: em casa, na escola, no ambiente de trabalho, na política. O tema é tratado tanto do ponto de vista científico como do prático, com exemplos do dia a dia das pessoas, mostrando desde os motivos pelos quais elas mentem à identificação da mentira por meio da observação da linguagem corporal. O autor não imprime um tom moralista, mas defende que não se constrói algo bom com base na mentira.




    COMO IDENTIFICAR A MENTIRA — Mônica Portella
    Comprar

    A obra tem por objetivo apresentar a linguagem não-verbal ao público leitor. A autora, com um texto simples e objetivo, leva a público a linguagem do corpo, aquela que fala por meio dos gestos e se antecipa ao pensamento. Este livro serve de guia par a profissionais das áreas clínicas, sociais e empresariais, pois ajuda na decodificação dos sinais do corpo. Em maior escala, pode ser aplicado à sociedade como um todo, visto que a dissimulação é uma característica crescente da atualidade. Uma leitura obrigatória para todos aqueles que pretendem entender um pouco mais do ser humano e seus mistérios.



    VERDADES E MENTIRAS — Carol Teixeira 
    Comprar
    Em seu segundo livro, Carol Teixeira propõe um desafio a si mesma como escritora: às crônicas, adiciona um “verdade?” e aos contos, um “mentira?”, testando os limites do fazer literário, da ficção e da realidade, acrescentando um ponto de interrogação que acompanha o leitor à medida que esse desvenda as experiências de Verdades & mentiras.
    No prefácio, o jornalista Juremir Machado da Silva reforça os olhares múltiplos que se podem reservar ao livro e à autora: “(...) um paradoxo, uma mulher de bem com a vida, uma pessoa disposta a apostar tudo na intensidade de cada dia, uma escritora talentosa, um axioma e muito mais”.
    Carol Teixeira tem a “alma de purpurina”, como ela revela na crônica de mesmo nome, e é esse brilho que transmite por meio de seus textos. Aliás, ela não teme se mostrar, mesmo que faça uma ode contra o espelho que, segundo ela, nos limita a ver apenas uma das tantas imagens que somos. A escritora não teme revelar também que perdeu o pai muito cedo e que essa foi uma das experiências mais definidoras de sua existência, como relata em “Vida”. Carol Teixeira surpreende também quando o assunto é futebol. Em “Meu dia na Bombonera”, a escritora – que viajara a Buenos Aires para participar de uma festa de música eletrônica – conta como passou de alguém que odeia futebol para uma torcedora de coração.

    SOBRE A INSPIRAÇÃO POÉTICA E SOBRE A MENTIRA — Platão

    "Platão supera a todos, pois ele nos faz ter a esperança de uma vida melhor."

    Leibniz

    Íon e Hípias Menor são diálogos do jovem Platão (427-347 a.C.), dos quase trinta de sua autoria que chegaram até nós. Aqui, o principal discípulo de Sócrates (470?-399? a.C.) usa de toda sua verve brincalhona e irônica para, como lhe é característico, trazer o homem e sua capacidade de conhecimento para o centro da discussão, ocupando o espaço anteriormente destinado à natureza e ao universo.
    No primeiro diálogo, Sócrates e Íon, um rapsodo (recitador profissional de poesias), debatem sobre o ofício, sobre a possibilidade de se apreciar uma obra literária e o papel da inspiração na crítica. No segundo diálogo, Sócrates e Hípias versam sobre a mentira e concluem que saber mentir vale mais do que dizer a verdade meramente por não se saber manipulá-la – e que a capacidade de inventar os fatos é em si algo positivo.

    Nenhum comentário: