• NOVIDADES

    quarta-feira, março 08, 2017

    [RESENHA] Para sempre Alice — Lisa Genova

    ISBN-13: 9788520940624
    ISBN-10: 8520940625
    Ano: 2015 / Páginas: 288

    Idioma: português 
    Editora: Nova Fronteira
    Avaliação: 10/10
    Compre: Estante Virtual | Amazon | Livraria Folha


    Alice sempre foi uma mulher de certezas. Professora e pesquisadora bem-sucedida, não havia referência bibliográfica que não guardasse de cor. Alice sempre acreditou que poderia estar no controle, mas nada é para sempre. Perto dos cinqüenta anos, Alice Howland começa a esquecer. No início, coisas sem importância, até que ela se perde na volta para casa. Estresse, provavelmente, talvez a menopausa; nada que um médico não dê jeito. Mas não é o que acontece. Ironicamente, a professora com a memória mais afiada de Harvard é diagnosticada com um caso precoce de mal de Alzheimer, uma doença degenerativa incurável. Poucas certezas aguardam Alice. Ela terá que se reinventar a cada dia, abrir mão do controle, aprender a se deixar cuidar e conviver com uma única certeza: a de que não será mais a mesma. Enquanto tenta aprender a lidar com as dificuldades, Alice começa a enxergar a si própria, o marido (Alec Baldwin), os filhos (Kate Botsworth, Hunter Parrish e a queridinha de Hollywood, Kirsten Stewart) e o mundo de forma diferente. Um sorriso, a voz, o toque, a calma que a presença de alguém transmite podem devolver uma lembrança – mesmo que por instantes, e ainda que não saiba quem é.
    Julianne Moore interpreta Alice no filme "Para sempre Alice"

    Antes de começar a falar sobre o enredo, gostaria de dizer que eu chorei do início ao fim. Cada pensamento, frase, diálogo mexe profundamente com o nosso ser. Alice é o tipo de mulher batalhadora, inspiradora e profunda com suas reflexões. O livro de Lisa Genova narra um misto de emoções que invadem nosso mais profundo íntimo e nos leva a tristes reflexões acerca de nossa própria realidade, afinal, o que faríamos se nós fossemos Alice? Podemos dizer que com toda certeza, ela é a personificação da superação.

    Alice é uma professora e pesquisadora de prestígio em uma universidade, onde palestra sobre os mais diversos assuntos. Muito bem sucedida no âmbito familiar e social, Alice vive com seu marido e possui três filhos. Em dia qualquer durante uma palestra, Alice esquece-se de alguns termos e palavras que com certeza agregaria valor acadêmico ao discurso, o que a deixa perdida, porém, consegue se sobressair sem deixar transparecer a dúvida que pairava sobre sua mente com relação as palavras que fugiam de sua cabeça.

    “Meus ontens estão desaparecendo e meus amanhãs são incertos. Então, para que eu vivo? Vivo para cada dia.Vivo o presente. Num amanhã próximo. Esquecerei que estive aqui diante de vocês e que fiz este discurso. Mas o simples fato de eu vir a esquecê-lo num amanhã qualquer não significa que hoje eu não tenha vivido cada segundo dele. Esquecerei o Hoje. Mas isso não significa que o Hoje não tem Importância.”

    Após começar a se esquecer cada vez mais de detalhes do dia-a-dia, Alice começa a frequentar o consultório de um neurologista para averiguar as questões que a estavam causando um certo constrangimento e preocupação profunda. Após uma série de exames exigidas pelo médico, Alice que acabara de completar cinquenta anos é diagnosticada com mal de alzheimer, o que a deixa incrivelmente surpresa, afinal, ser diagnosticada com este mal em uma faixa etária consideravelmente baixa.

    “E por favor, não pense que eu estou sofrendo. Eu não estou sofrendo, eu estou lutando. Lutando para fazer parte das coisas, para ficar ligada a quem eu já fui. Então “vive o momento” é isso que eu digo para mim mesma. É realmente tudo o que eu posso fazer, viver o momento.”

    Após um diagnóstico de mau precoce de alzheimer, Alice começa a esquecer-se cada vez mais de detalhes importantíssimos presentes no seu cotidiano, como transitar pela própria casa entre um cômodo e outro, caminhar na praia ou no central park sem se perder e agenda e horários de palestra. Agora a unica saída que a vida lhe impõe, é procurar uma alternativa dentro de si para conviver todos os dias com seus familiares que aos poucos são esquecidos — usando a tecnologia a seu favor — seu marido e filhos despertam vez ou outra um sentimento e uma lembrança que desperta sentimentos de Dejavú e uma sensação de alívio e boas lembranças, porém, nada além disso.

    A história de Alice vai além dos problemas abordados no enredo. O contexto descrito pela autora é frequente em muitas famílias pelo mundo e é uma realidade para a qual preferimos fechar os olhos e fazer de conta que não é conosco, porém, descobrir-se novamente todos os dias não é uma ideia boa de vida quando não nos lembramos o que eramos antes da mudança.

    COMENTÁRIOS

    Lisa Genova e seu fantástico dom em construir personagens. Alice e toda sua família é a prova de que boas histórias podem ser contadas de forma intrigante, instigante e leve, sem deixar que o enredo fique perdido ou pesado. A escrita de Lisa é leve, audaciosa e ao mesmo tempo simples, o que torna a leitura de Para sempre Alice a experiência mais fantástica da vida de um leitor, é algo que transforma desde o título.

    A característica presente nos filhos e a forma como a família encara o problema de Alice, é linda e ao mesmo tempo, triste. Enfrentar um problema como este não deve ser nada fácil, porém, acordar todos os dias e poder dizer "eu te amo" e fazer com que tudo se torne novo para aquela pessoa é fantástico. Enquanto algumas personagens se veem culpadas pelo transtorno carregado por Alice, alguns entendem que o problema veio de seus familiares e acreditam no diagnóstico médico. O mais triste em todo o enredo é a forma com a qual Alice enfrenta seu dia-a-dia acadêmico no início, quando ainda está descobrindo que sua doença é progressiva e sem cura.

    “Sou uma pessoa vivendo no estágio inicial de Alzheimer. E assim sendo, estou aprendendo a arte de perder todos os dias. Perdendo meus modos, perdendo objetos, perdendo sono e acima de tudo, perdendo memórias. Toda a minha vida eu acumulei lembranças. Elas se tornaram meus bens mais preciosos.”

    Um livro capaz de transformar vidas e de abrir horizontes.

    Nenhum comentário: