• NOVIDADES

    domingo, março 12, 2017

    Sobre quem fomos um dia

    Somos hoje o resultado do ontem. O que nos resta são apenas lembranças, detalhes e percepções se perdem, modificam

    Meia noite de um de semana qualquer, lá estou eu, novamente para variar. Hoje minha cabeça está mais repleta de pensamentos do que nunca, existe sempre aquela pergunta sem resposta que me faz pensar um bilhão de acontecimentos, momentos, sentimentos, vontades, desejos e decisões, sobretudo, as decisões que tenho tomado que me trouxeram até onde estou atualmente. Será que uma vírgula do meu passado alteraria o meu presente? O que fez com que eu me tornasse o que sou hoje? — Minhas decisões? Um passo a mais para frente, para o lado, para direta? O fato é que nós nunca saberemos o que faz com que sejamos o que somos atualmente, a essência é algo que se é adquirida ou construída? E valores? Fazem parte da essência? São questionamentos com os quais me pego pensando sempre.

    Ontem eu acreditava em coisas que eu não acredito hoje, e se acredito, duvido que seja da mesma forma. Avaliar-se nunca é uma tarefa fácil, descrever-se para alguém, falar sobre um sentimento, um momento, uma vontade, um desejo e sobre todas as coisas que gostaríamos que as pessoas soubessem, não é algo com a qual temos habilidade. Todos os dias tomamos decisões e entramos em contato com livros, novelas, comerciais, placas e escritos que alteram, mudam ou ajudam formular uma nova opinião acerca de tópicos com os quais tínhamos a plena ciência de que dominávamos.

    Seria a proximidade entre dois corpos que cria o sentimento, a lealdade ou amor? Ou aquele papo de que o relacionamento sobrevive mesmo do outro lado do mundo é verídico? Seria o trabalho que desperta a admiração nas pessoas, ou simplesmente ser "uma pessoa de bem" basta?.

    O que torna uma pessoa especial a ponto de se sobressair sobre outras prioridades?

    Lembro-me das vezes que acordava pela madrugada, olhava para cama vazia e me sentia bem por estar só e por saber que eu não precisava de ninguém para sentir completo, porém, no fundo eu sabia o que estava faltando, e acredite, não era um amor ou alguém para dormir de conchinha, eu precisa apenas de um cobertor novo, e aquela perspectiva sobre a minha necessidade algo material e não carnal, me trouxe outras reflexões que me deixaram a pensar por muito mais tempo: O que torna uma pessoa especial a ponto dela começar a sobressair-se sobre outras preferências que tínhamos antes da chegada dela?

    Éramos felizes nos anos 80, éramos ousados, satisfeitos e a simplicidade reinava, e o melhor de tudo, ninguém enchia seu saco por você ser diferente. É como se o relógio do mundo burguês girasse para frente, enquanto o retrocesso mental e social acontecesse no mesmo instante. Algumas coisas continuam sendo mais valorizadas que outras e querendo ou não, elas tomam lugar de pessoas, momentos e sentimentos.

    Como por exemplo, você pode achar que seu filho é a coisa mais importante na sua vida, porém, você pega turnos extras e começa a trabalhar mais do que devia para ganhar um dinheiro a mais para adquirir um brinquedo que ele tanto quer. De uma forma ou de outra, mesmo que inconscientemente, estamos preferindo passar menos tempo que aquela pessoa por que a ideia de ter uma reserva de dinheiro e obter mais um objeto materialista, sobressai-se sobre todas as suas necessidades. Família. Amigos. Sonhos.

    O que fomos um dia? Talvez nós nunca iremos saber, afinal, o que somos hoje não é nem um por cento do que fomos ontem, nos tornamos pessoas evoluídas em alguns aspectos, ricas em experiências, porém, retrocedidos em diversos aspectos. Não podemos definir o que fomos ontem, enquanto o dia passar, o sol nascer o desejo bater.

    Somos hoje parte do que fomos um dia, desse mesmo modo, seremos daqui à alguns anos, parte do que somos hoje. Nesse percurso, deixaremos alguns pedaços pelo caminho. Resumidamente falando, somos sempre parte do que fomos um dia, não completamente, mas em sua essência. — Jakson Trindade

    Nenhum comentário: