Ads Top

[ENTREVISTA] Cristy S. Angel, autora de "Lendárias, a legião"

Cristy S. Angel | Facebook | Divulgação

Cristy S. Angel, Autora de Lendárias - A legião. Nascida em Porto Alegre, Apaixonada por comida Italiana, diplomada em detetive federal pela C.U.F.D. Seu primeiro contato com a leitura foi através das HQs do tio patinhas que sua mãe sempre que podia comprava, e do conto da Bela adormecida ilustrado. Hoje, Cristy é autora do livro "Lendárias, a legião", e já possui notoriedade dentre os fãs de fantasia.

1.Quando você percebeu que seu destino era se tornar um escritor? 

 Destino não é bem a palavra que eu usaria, mas decidi que queria me tornar de fato uma escritora enquanto escrevia lendárias. Já tinha escrito contos que só alguns familiares leram, eu não pensava em publicar um dia. Com Lendárias foi diferente, eu amei tanto o mundo que havia criado que precisava dividir isso com o mundo.

2. De onde vem os personagens? São frutos de muita imaginação ou são baseados em pessoas reais? 

 Alguns eu usei nomes ou características físicas em forma de homenagem a alguns amigos, outros foram totalmente criados na minha mente. Kahlan por exemplo. 

3. Quais seus autores favoritos? Estes livros de alguma forma, influenciaram diretamente na sua escrita? 

 Sarah J. Maas é a minha favorita. Eu fui muito influenciada por ela. Quando eu li Trono De Vidro gostei tanto do tipo de escrita dela, da narrativa leve e da linguagem que ela usou, é moderna sem ser exagerada. Disse pra mim mesma: Quero isso!

4. Já aconteceu de você conhecer alguém que leu sua obra, ou que estava lendo? 

Comigo não pessoalmente, mas já. Em minhas redes sociais adicionei alguns leitores que me mandaram msg falando que estavam lendo ou leram o livro. Nossa! Isso é tão legal sabe? Esse contato autor/ leitor acho muito show. Já com meu filho pessoalmente sim, um dia desses uma colega dele estava lendo Lendárias, mas ela não sabia que ele era filho da autora. Ela achou que ele estava brincando de início. Rrsrs Ele achou o máximo isso.  

Capa Oficial "Lendárias, a legião"
5. Atualmente uma das maiores dificuldades encontradas por autores é publicar o livro no formato físico, até mesmo pelos valores altíssimos cobrados por algumas editoras. Você encontrou alguma outra dificuldade para publicar ou desenvolver sua obra? 

No momento não me vem nada á cabeça, mas acho que não tive dificuldades na área de publicação e desenvolvimento. O que me deu um pouco mais de trabalho foi sem dúvida a divulgação inicial, por ser meu primeiro livro publicado, principalmente por ser super tímida. 

6.  Você costuma recorrer á opiniões de terceiros durante o processo de escrita de um livro? Se sim, por que? 

Sim, tenho betas. Acho que betas são fundamentais. Quando escrevo quero ter a certeza de que meus leitores “entrem” no livro, que eles sintam e vejam. Eu sei o que eu sinto quando escrevo, mas gosto de saber como outros se sentem quando leem. E é aí que os betas entram. Dando suas opiniões de como se sentiram, se pode ficar mais intenso, mais engraçado, o que pode sair ou ficar. Eu analiso as sugestões e vejo o que fica melhor pra narrativa. 

7.  Quanto tempo demorou até que seu livro estivesse finalmente finalizado? 

 Da primeira palavra escrita até a última foi em média sete meses. Eu não escrevi todos os dias, teve dias que escrevi por quatro ou cinco horas, e teve dias que escrevi por dezoito horas consecutivas.

8. Pretende escrever outros livros dentro do gênero do primeiro livro? 

Sim, A Legião é o primeiro livro da saga Lendárias, e após a saga tenho outros projetos que em geral são fantasia. 

9. Qual o pior inimigo de um autor? 

 Falta de café. Brincadeira! Ah, cara! Acho que é a pouca valorização de livros Nacionais. Tenho lido livros de autores nacionais maravilhosos, na verdade, eu nem tenho lido mais livros estrangeiros. Não que muitos não sejam bons, são sim. Mas tem tanto talento aqui no Brasil, que eu não procuro mais lá fora. Sinceramente acredito que se as editoras de médio e grande porte “acordassem”, veriam esses talentos também e descobririam que a “mina de ouro” que eles buscam, está bem mais próximo do que imaginam.

10. O que você faz quando uma ideia maravilhosa surge enquanto você está fora de casa e precisa registrar aquela ideia? 

 Bah! Fico mais distraída ainda. Eu fico amadurecendo a ideia na cabeça, para só depois coloca-la em palavras. 

11. Você acha que escrever enquanto se ouve uma trilha sonora de fundo, dá inspiração ou atrapalha? 

 Depende o dia, já escrevi muitos caps ouvindo música e ajudou muito em certas cenas. E tem dias que prefiro silêncio pra me concentrar melhor. 

12.  De tudo o que você já escreveu, tem algo em especial que se orgulhe? Algum trecho, personagem ou terra? 

 Tem sim, Kahlan. Criar essa personagem foi incrível, é maravilhoso como alguns personagens parecem ter vida própria. A personalidade da Kah acabou superando minhas próprias expectativas. E tem também uma frase que amo e repito pra mim mesma em muitos momentos. Seja corajosa(o), seja forte! 

13. Como foi a recepção do seu público com relação à sua escrita? Você acha que se surgisse a oportunidade de vendê-lo para fora do país, a recepção seria mesma? 

 Foi melhor do que eu esperava, tenho recebido tanto carinho dos leitores.  Eu acredito que seria sim. Lendárias é um livro de fantasia que apresenta um mundo totalmente inédito com novas criaturas, reinos, e um diferencial de outras bruxas. As lendárias vieram para quebrar aquele estereotipo de chapéu e vassoura. Elas são mulheres belíssimas dotadas de grandes poderes, com sua força sobre humana elas lutam como verdadeiras amazonas. Cada uma tem sua especialidade com armas, seja punhais, espadas ou arco e flechas. Para quem curte fantasia é um prato cheio. Rsrs 

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.