• NOVIDADES

    segunda-feira, junho 19, 2017

    [RESENHA #154] O monge, Matthew Lewis

    O monge. LEWIS, Matthew | Pedrazul | Divulgação

    O monge, LEWIS, Matthew. Rio de Janeiro: Pedrazul, 2017. 292p. ISB 978-856-654-943-0 / R$51,55


    RESUMO: Admirado e respeitado em Madri, o monge Ambrósio é famoso por sua conduta exemplar e por sua virtude absoluta, mas conhece a tentação no rosto de Matilda, uma linda moça que aparece no mosteiro disfarçada de noviço. Depois de sucumbir aos seus encantos, os desejos de Ambrósio tornam-se insaciáveis e ele passa a viver em meio à depravação, rituais demoníacos e assassinatos. Sua luta contra o remorso constante é capaz de levá-lo à loucura.

    Palavras-Chaves: Pedrazul, O monge, Mathew Lewis

    Uma das obras que me provocam arrepios e me arremetem a reflexões que há muito adormeceram em mim. Matthew Lewis possui uma capacidade instigante de criar eventos sombrios extremamente reflexivos acerca de um mosteiro e a incapacidade de um monte em manter seus votos e entregar-se aos prazeres da carne. Conheci este livro em 2012 através de alguns amigos, na época a leitura foi feita em seu idioma original (inglês) e devo dizer que esta tradução está tão impecável quanto o original, a editora realmente preocupou-se em manter toda escrita voraz de Matthew, e isso já é algo incrível para citarmos.

    Nesta história iremos conhecer dois personagens peculiares que irão instigar-nos até a última página, o monge Ambrósio e a irresistível Matilda. Ambrósio era um monge extremamente respeitado por todos, até que viu-se entre a cruz e a espada, quando “pecou contra sua santidade” entregando-se aos desejos carnais aos quais sentiu ao ver Matilda pela primeira vez.

    "Seu Irmão Monks, foi ver a respeito dele como um Ser Superior ... Eles foram persuadidos, que o que Ele fez deve estar certo ... Sua isolação monástica já havia sido favorável, uma vez que não lhe dava espaço para descobrir suas más qualidades. A superioridade de seus talentos o elevou muito acima de seus companheiros para permitir que ele estivesse com ciúmes: Sua piedade exemplar, sua eloquência persuasiva e seus modos agradáveis ​​garantiram-lhe a Estima universal e, consequentemente, não teve ferimentos para se vingar: Sua Ambição foi justificada por seu mérito reconhecido, e seu orgulho considerado como não mais do que uma confiança adequada. Ele nunca viu, muito menos conversou com o outro sexo; Ele ignorava os prazeres que o poder da mulher atribui.

    Ambrósio tinha sido deixado na entrada do mosteiro "quando ele era muito jovem para contar o seu conto" e nunca tinha conhecido um momento do mundo além desses muros monásticos. Por causa dessas circunstâncias únicas, ele nunca foi exposto à tentação, ao vício, ao pecado ou aos encantos da forma feminina. Agora, as mulheres da classe alta encontraram sua eloquência quando ele deu sermões tão atraentes que ele rapidamente se tornou o monge mais popular para ouvir confissões. Poderíamos dizer que ele estava em um beco sem saída.

    A queda de alguém tão santo sacudiu as terras do inferno, deixando Lúcifer extremamente feliz com a queda moral de Ambrósio. Ao perceber que o monge encontrava-se em um momento de fragilidade, Lúcifer envia Rosário ao mosteiro para dar assistência à Ambrósio. Durante todo o tempo Rosário manteve-se com um capuz. Após perceber que havia obtido total confiança do monge, este por sua vez, mostra-se uma bela mulher, revelando suas curvas, seus lábios e toda tentação que aguardava a santidade do monge. Ambrósio estava agora de frente para sua pior provação de fé, uma santa missão que envolvia muito mais do que ele poderia pensar em ter.

    "Mulher Perigosa! — Disse ele; em que abismo de miséria você mergulhou em mim! Se o seu sexo for descoberto, minha honra, e minha vida, deve pagar o prazer de alguns momentos. Louco que eu era, confiar em minhas seduções! O que agora pode ser feito? Como a minha ofensa pode ser expiatida? Qual expiação pode comprar o perdão do meu crime?

    Este é o massacre em forma de escrita. A luta entre o bem e o mal que perpetuam os caminhos do monge que buscava a santidade, porém, foi corrompido pela beleza de uma mulher enviada pelo próprio diabo. Porém, sempre irei me questionar: Se o diabo tem completa ciência daquilo o que nos faz mal e nos faz cair “do alto da graça”, ele pode usar nossas fraquezas para levar-nos a pecar e até mesmo desistir do caminho de luz, se fosse assim, todos nós estaríamos condenados. Então poderemos levar um embate entre as verdadeiras convicções religiosas do monge e sua criação. Ele poderia ser alguém que alcançou graça infinita se tivesse conhecimento de como é a formosura de uma mulher e não fosse um monge? Quem decide o que é ou não errado? A religião ou nossa religiosidade? Este é o livro mais sombrio que você irá ter contato pelos últimos anos. Um livro escrito em 1796, com uma narrativa tão atual que impressiona até mesmo os leitores mais exigentes.
    Ambrósio, o abade, é o monge perfeito, chefe de uma abadia em Madri, e o ídolo da cidade, um homem jovem, bonito e carismático, com uma voz fascinante, que emociona a congregação em sua igreja. Todas as pessoas se reúnem para isso, para ouvir seus sermões, cinco minutos depois que os sinos tocam, a igreja está transbordando, e as famílias nobres estão lá, silenciosamente a assembleia escuta, um santo vivo, eles testemunham, as pessoas orgulhosas estão extasiadas, Esta idade moderna (1700), Deus enviou Ambrósio!

    O Monge, não é o que ele parece ser, tudo, uma miragem, o órfão, encontrado na porta da abadia, como um bebê, criado no mosteiro, nunca deixando o seu Ninguém sabe de onde veio a criança ... Agora os pensamentos malignos permeiam sua mente curiosa, luxúria e devastação, Depois de trinta anos aborrecidos, o Monk, quer se divertir, o tédio mortal deve acabar em breve, arriscar sua reputação, se apenas o abade tivesse uma chance... Ambrósio está perto de um novato com o nome de Rosário, seu único amigo , Que misteriosamente chegou à abadia, este jovem cavalheiro, sempre cobre seu rosto, guarda para si mesmo, exceto para o abade, suas discussões são o que o monge espera, durante o tedioso tédio do dia. Até que um dia o enviado do demônio revela toda sua beleza e esplendor feminino, revelando seu eu feminino, um segredo que ninguém jamais poderia imaginar.

    Agora, somos convidados á experimentar da sensualidade de Matilda, das entregas de Ambrósio e de sua queda em pecado.


    COMENTÁRIOS PESSOAIS

    Sombrio ao extremo. O monge é um relato do que se pode acontecer com qualquer pessoa que entrega sua vida ao monastério. Todos os dias enfrentamos e encontramos em nosso caminho pessoas, acontecimentos, sentimentos e “furos” capazes de nos fazer pecar. Estar sempre centrado no que é certo seguindo a lei de Deus é realmente algo difícil ao extremo, e cada vez que vigiamos, piora. Este livro diferente de alguns comentários que li na internet, ele não agride de forma alguma a religião católica ou monastério ou algo do tipo, está não é a mensagem central do livro. Aqui poderemos discorrer sobre a queda de um homem que foi criado sem conhecer as belezas femininas e que viu-se embriagado pela beleza da primeira mulher que contemplou na vida, e isso o levou a pecar. Penso eu que isso é algo extremamente comum nos dias de hoje, porém, nos dias em que foi escrito — ano de 1796 — o livro revolucionou a escrita e a forma como contavam histórias, já que os padres, bispos e a igreja católica predominava completamente a maior parte das regiões (até os dias de hoje).


    Um livro interessante para se indicar para qualquer leitor apaixonado pelo desconhecido pelo sombrio, e claro, por todo leitor que deseja aprofundar-se na beleza de Matilda e perder-se juntamente com Ambrósio em suas curvas. E o final, como será? Enfim, vamos em busca do final. O livro pode ser adquirido diretamente no site da editora.