• NOVIDADES

    sábado, julho 29, 2017

    +20 Clássicos em domínio público

    Google Images | Divulgação

    Você sabia que nosso portal possuí um acervo literário gratuito? Todos os livros englobados nesta página, pertencem à websites, páginas e projetos culturais sociais e governamentais que divulgam e compartilham livremente obras literárias públicas. Quando um determinado autor vem à óbito, suas obras literárias podem ser distribuídas livremente se não houver nenhuma empresa, marca ou nome ligada diretamente às obras, em suma, uma obra só pode ser distribuídas quando não há absolutamente nenhuma pessoa/marca que reclame direitos autorais sobre aquele determinado material.

    Do ponto de vista jurídico, uma obra torna-se automaticamente pertencente ao domínio público (qualquer pode editar e reproduzir a obra, desde que mantenha o nome do autor) após 70 anos de falecimento no Brasil, porém, esta regra não é tão válida assim no Brasil, já que Mario de Andrade faleceu no dia 25 de fevereiro de 1945, e suas obras somente entraram em domínio público em setembro de 2016.

    Pensando carinhosamente em todos os nossos leitores fanáticos por clássicos, decidimos criar uma lista com os melhores livros digitais (e-books) já pertencentes ao domínio público.

    Boa leitura a todos.

    1. A alma encantadora das ruas, João do Rio [+ download]

    Mercado Livre | Divulgação

    A alma encantadora das ruas é o terceiro livro de João do Rio, publicado em 1908. Trata-se de uma série de 37 crônicas e reportagens dedicadas às ruas da cidade do Rio de Janeiro e seus personagens. No início do século, com as primeiras luzes da modernidade, o Rio já se revelava, aos olhos mais sensíveis, uma cidade multifacetada, fascinante, efervescente. Nela, estão presentes as figuras que povoam a cidade mas são constantemente ignoradas, como os mendigos, trabalhadores comuns e meninos de rua. As crônicas trazem o significado e a própria essência da rua na modernidade.

    2. A divina comédia, Dante Alighieri [+ download]

    Google Images | Divulgação

    Escrito originalmente em dialeto toscano, dialeto popular semelhante ao italiano atual, e não em latim como fazia-se comum à época, trata-se de um poema articulado por trilogias, entre elas as formadas por Razão - Humano - Fé, Onça - Leão - Loba, Pai - - Espirito Santo; e com final feliz segundo sugerido pelo próprio nome. À época em que Dante escreveu o poema os textos eram separados entre Comédia, obras dotadas de finais felizes, e Tragédias, com finais contrastantes aos das Comédias.

    3. A escrava Isaura, Bernardo Guimarães [+ download]

    Mercado Livre | Google Images | Divulgação

    A escrava Isaura é um romance que procura retratar a sociedade brasileira do século XIX tendo como pano de fundo a escravidão. O autor cria um romance nacional em que o amor é instrumento de denúncia da hipocrisia de seu tempo.

    4. A esfinge sem segredo, Oscar Wilde [+ download]

    Dois amigos se reencontram, um deles narra suas estranhas novidades: se apaixonara por uma mulher enigmática, cheia de mistérios. Uma aura de suspense ronda por ela que guarda um segredo.

    5. A metamorfose, Franz Kafka [+ download]

    A Metamorfose é a mais célebre novela de Franz Kafka e uma das mais importantes de toda a história da literatura. O texto coloca o leitor diante de um caixeiro-viajante - o famoso Gregor Samsa - transformado em inseto monstruoso. A partir daí, a história é narrada com um realismo inesperado que associa o inverossímil e o senso de humor ao que é trágico, grotesco e cruel na condição humana - tudo no estilo transparente e perfeito desse mestre inconfundível da ficção universal.

    6. A moreninha, Joaquim Manuel Macedo [+ download]

    Como se manter fiel ao juramento de amor feito no passado, diante de uma nova e ardorosa paixão? É o que se pergunta Augusto ao conhecer Carolina, a Moreninha.Uma resposta surpreendente será dada ao personagem nas páginas deste agradável livro de Joaquim Manuel de Macedo. Publicado em 1844, este é o primeiro romance da nossa literatura. Esta divertida história de amor retrata com perspicácia a sociedade do Rio de Janeiro do Segundo Reinado.

    7. A volta ao mundo em oitenta dias, Julio Verne [+ download]

    Phileas Fogg é um nobre inglês que faz uma aposta milionária com seus amigos do clube onde passava todas as noites, seguindo os seus rígidos horários, afirmando que consegue dar a volta ao mundo em exatamente oitenta dias. Para cumprir a aposta, ele enfrenta aventuras e perigos em todos os continentes por onde passa, sempre acompanhado de seu fiel criado francês Passepartout, até finalmente conseguir cumprir o seu objetivo e ganhar a aposta milionária.

    8. Adão e Eva, Machado de Assis [+ download]

    Ao ver o título da coleção o leitor pode se colocar a pergunta: por que arte para jovens ou arte para crianças? A arte é uma só e independente do espectador. É claro que a arte é uma só, mas os métodos para conhecê-la podem ser diversos. Dificilmente uma criança ou um jovem irão se interessar pelos textos de críticos que em geral têm uma linguagem um pouco complexa para iniciantes. Com essas coleções que unem pintura e literatura, a editora elabora paralelamente todo um projeto de arte-educação, destinado às escolas, para ampliar esse possível primeiro contato dos jovens com as artes plásticas, expondo também a sua minigaleria. E nesse caso, sim, existe uma linguagem mais apropriada para cada faixa etária. Ao iniciar a série dedicada ao público jovem, a editora traz mais uma inovação: ao lado do trabalho de Luiz Paulo Baravelli, escolheu um conto pouco explorado publicamente de Machado de Assis. O leitor terá em Adão e Eva uma excelente oportunidade para enriquecer seu universo como apreciador da arte - a plástica e a literária, unindo dois artistas, um clássico e um moderno.

    9. A Canção de exílio, Gonçalves Dias [+ download]

    "Canção do Exílio" é uma poesia romântica de Gonçalves Dias, introduzida na obra lírica Primeiros cantos, de 1846. Foi produzida no primeiro momento do Romantismo no Brasil, época na qual se vivia uma forte onda de nacionalismo, que se devia ao recente rompimento do Brasil colônia com Portugal. O poeta trata, neste sentido, de demonstrar aversão aos valores portugueses e ressaltar os valores naturais do Brasil.

    10. Do livro do desassossego, Bernardo Soares [+ download]

    O narrador principal (mas não exclusivo) das centenas de fragmentos que compõem este livro é o "semi-heterônimo" Bernardo Soares. Ajudante de guarda-livros na cidade de Lisboa, ele escreve sem encadeamento narrativo claro, sem fatos propriamente ditos e sem uma noção de tempo definida. Ainda assim, foi nesta obra que Fernando Pessoa mais se aproximou do gênero romance. Os temas não deixam de ser adequados a um diário íntimo: a elucidação de estados psíquicos, a descrição das coisas, através dos efeitos que elas exercem sobre a mente, reflexões e devaneios sobre a paixão, a moral, o conhecimento. "Dono do mundo em mim, como de terras que não posso trazer comigo", escreve o narrador. Seu tom é sempre o de uma intimidade que não encontrará nunca o ponto de repouso.

    11. Dom Casmurro, Machado de Assis [+ download]

    Machado de Assis (1839-1908), escrevendo Dom Casmurro, produziu um dos maiores livros da literatura universal. Mas criando Capitu, a espantosa menina de "olhos oblíquos e dissimulados", de "olhos de ressaca", Machado nos legou um incrível mistério, um mistério até hoje indecifrado. Há quase cem anos os estudiosos e especialistas o esmiuçam, o analisam sob todos os aspectos. Em vão. Embora o autor se tenha dado ao trabalho de distribuir pelo caminho todas as pistas para quem quisesse decifrar o enigma, ninguém ainda o desvendou. A alma de Capitu é, na verdade, um labirinto sem saída, um labirinto que Machado também já explorara em personagens como Virgília (Memórias Póstumas de Brás Cubas) e Sofia (Quincas Borba), personagens construídas a partir da ambigüidade psicológica, como Jorge Luis Borges gostaria de ter inventado.

    12. Don Quixote, Miguel de Cervantes [+ download]

    Dom Quixote de la Mancha (Don Quijote de la Mancha em castelhano) é um livro escrito pelo espanhol Miguel de Cervantes (1547-1616). O título e ortografia originais eram El ingenioso hidalgo Don Quixote de La Mancha, com sua primeira edição publicada em Madrid no ano de 1605. É composto por 126 capítulos, divididos em duas partes: a primeira surgida em 1605 e a outra em 1615. A coroa espanhola patrocinou uma edição revisada em quatro volumes a cargo de Joaquín Ibarra. Iniciada em 1777 concluiu-se em 1780 com tiragem inicial de 1600 exemplares.

    13. Iracema, José de Alencar [+ download]

    O romance conta o amor de um branco, Martim Soares Moreno, pela índia Iracema, a virgem dos lábios de mel. Entre guerras e conflitos, ciúmes e disputa de poder, a história desse amor proibido tem como pano de fundo a cultura indígena e a miscigenação do branco com o índio.

    14. La Condena, Franz Kafka [+ download]

    Georg Bedenmann, filho de comerciantes, no amor e prestes a se casar, ele escreve à sua (dependendo do seu ponto de vista) amigo infeliz em St. Petersburg. Para agradá-lo, Georg, escondido em seus detalhes carta sobre sua vida bem sucedida. Depois de pensar muito tempo e escrita apaixonado páginas falando de sua amada, ele diz a seu vínculo matrimonial futuro. Quando Georg vai com a carta para seu pai apenas discutindo. Durante a discussão a criança descobre que o pai leva tempo para entrar em contato com seu amigo em São Petersburgo e está ciente dos eventos. O pai mostra suas queixas sobre a gestão da loja e na escolha de sua noiva. Ele termina a discussão com as palavras: "Eu vou condená-lo à morte por afogamento". O filho é executado a casa, onde o rio era, ele girou sobre o ditado corrimão, "Mas, queridos pais, eu sempre te amei" e caiu.

    15. Lira dos vinte anos, Álvares de Azevedo [+ download]

    O livro é dividido em duas partes, onde na Primeira Parte de Lira dos Vinte Anos predomina a poesia mais sentimental, o devaneio do primeiro Byron e de Musset. Pontificam o medo de amar, o desejo vago por virgens inatingíveis, o sentimento de culpa frente aos desejos carnais e o fascínio com a morte. Trata-se de uma poesia de seres imaginários e idéias abstratas vagando na noite enevoada. Na Segunda Parte de Lira dos Vinte Anos, Álvares de Azevedo envereda por um romantismo irônico e sarcástico. Sem abandonar os temas do amor e da morte, representados sempre sob o manto da noite sombria, passa agora a “falar com coisas” (para usar o termo de João Cabral de Melo Neto) - a poetizar os objetos que o rodeiam. Vai agora, em processo claramente metalingüístico, dia-logar ironicamente com os grandes autores do romantismo. Escreve sobre os charutos, sobre uma queda de cavalo (intuição?), sobre o dinheiro (ou a falta deste), em suma, sobre temas corriqueiros que não cabiam na poesia onírica e sentimental da Primeira Parte.

    16. Marília de Dirceu, Tomás Antônio Gonzaga [+ download]

    Coletânea reúne os melhores trechos da obra poética de Tomás Antônio Gonzaga (1744-1810). Escrita sob o signo da dor causada pela separação da amada, Marília de Dirceu revela ao leitor um universo lírico e sentimental repleto de paisagens e temas bucólicos. Já as Cartas chilenas criticam, em tom de sátira, a corrupção e o despotismo dos governantes.

    17. Memórias Póstumas de Brás Cubas, Machado de Assis [+ download]

    É após a morte que Brás Cubas decide narrar suas memórias. Nesta condição, nada pode suavizar seu ponto de vista irônico e mordaz sobre uma sociedade em que as instituições se baseiam na hipocrisia. O casamento, o adultério, os comportamentos individuais e sociais não escapam à sua visão aguda e implacável, nesta obra fundamental de Machado de Assis.

    18. O elixir da longa vida, Honoré de Balzac [+ download]

    A história contada por Balzac em 1830 inicia-se narrando a cena de uma luxuriante festa realizada no palácio de Ferrara, numa noite de inverno, onde residia don Juan Belvidero. No auge da embriaguez de todos os que figuravam no festim, surge numa porta um velho criado que com ar triste anuncia que Bartolomeo Belvidero, pai de don Juan, está na cama à beira da morte. Imediatamente o anfitrião perde a alegria, tal como quem abandona um guardanapo usado e sai do salão à procura do pai, deixando atrás de si uma festa de clima frio e opaco. Don Juan chega ao leito do mortiço com a alma cheia de arrependimento, contrastando com a tranqüilidade do pai, o qual nunca se desgostara das festas depravadas e da vida esbanjadora que o filho único levava.

    19. O navio negreiro, Castro Alves [+ download]

    Conhecido como "poeta dos escravos", Castro Alves foi do Romantismo Brasileiro. Defensor da causa abolicionista e da igualdade entre os homens, morreu precocemente, deixando. Entre outros, "O navio negreiro", considerados por muitos o mais belo poema da língua portuguesa

    20. Os lusíadas, Luis de Camões [+ download]

    Com centro na narrativa da viagem de Vasco da Gama até as Índias, Camões conta nesta epopéia a história do povo português, utilizando-se da estrutura clássica do poema épico. "Os Lusíadas" é, acima de tudo, uma declaração de amor de Camões à sua adorada terra lusitana.

    21. Os maias, Eça de Queiroz [+ download]

    O que se faz ao longo dos dezoito capítulos deste romance de Eça é a dissecação da sociedade portuguesa de sua época, que ele se esmera em expor para apontar os males e a degeneração. Vêem-se, assim, no grande quadro social anatomizado pelo realismo de Eça de Queirós: o clero e a sua influência danosa ao pensamento e modo de vida portugueses; as moléstias sociais das média e alta burguesia lisboetas, com seus inúmeros e desastrosos casos de adultério; os ambientes literários e políticos, sua corrupção e tacanhice intelectual. Se é fato que a ironia é um dos grandes trunfos para a grandeza da escrita queirosiana, em Os Maias ela serve como potencializadora da tarefa trágica e também tão irônica do Destino. Talvez isso explique, em parte, a força de um romance, que, mais de um século depois de sua primeira publicação, é ainda capaz de atrair tantos leitores e de criar tamanho interesse.

    22. Poemas de Alvaro Campos, Fernando Pessoa [+download]

    O que faz de Alvaro de Campos, o heteronimo da modernidade, um excepcional e inquietante poeta é o fato de ser o homem da emocao. É o proprio Fernando Pessoa quem diz na famosa carta a Adolfo Casais Monteiro: Pus em Alvaro de Campos toda a emocao que nao dou nem a mim nem a vida. Pode-se falar em 3 momentos distintos na poesia de Alvaro de Campos. Alias, Campos é o unico heteronimo de Fernando Pessoa que apresenta diferentes fases: 1- Campos pre-Caeiro 2- Campos euforico 3- Campos disforico Alguns dos poemas encontrados neste exemplar: Opiario, Ode Triunfal, Tabacaria, Bicarbonato de Soda, Poema em linha reta, Passagem das horas, etc.

    23. Triste fim de Policarpo Quaresma [+ download]

    Para Major Quaresma, a Pátria é um ideal que está acima de tudo. Visionário por excelência, suas idéias colocam-no em várias situações embaraçosas e levam-no até a ser internado em um manicômio. Tímido, discreto, ingênuo, é também uma palha de pureza a navegar num oceano de podridão. Este é um livro escrito com todos os nervos, mas principalmente com o coração, e que se destina a quantos tenham orgulho de ser brasileiros.

    24. Uma estação no inferno, Artur Rimbaud [+ download]

    Uma estação no inferno é um poema simbolista extenso escrito em 1873 pelo escritor francês Arthur Rimbaud. É o único trabalho que foi publicado pessoalmente por Rimbaud. O livro teve uma considerável influência em artistas e poetas posteriores, como por exemplo, os surrealistas.

    [full_width]

    Nenhum comentário: