Ads Top

[RESENHA #161] A língua do pulsar, Leonardo Lopes da Silva

Acervo Pessoal | Divulgação

RESUMO: Dentro de cada um de nós há um universo de sons, imagens, sabores, sonhos. Carregamos estes universos ao redor, esperando unir-se a outros, expandir-se, comunicar-se. A questão é exatamente o quanto comunicamos, e quão bem o fazemos. Muitas vezes preferimos ser inundados por palavras de outrem, adotando-nas como nossas. E se descobríssemos que ha uma fonte, uma voz misteriosa dentro de nos que precisa ser achada, afinada, posta para fora? E que esta voz contem uma torrente irresistível de vida que precisa ser traduzida de alguma forma? Esta busca, encontro, perda, reencontro de voz, e tudo o que queria expressar, é o que esta presente neste livro. Para que meu universo fizesse sentido para mim e para ti, tive de implodir-me e vivenciar o mundo de meu interior para que eu pulse, para que eu transmita, para que eu me complete. Este é o meu universo e minha língua. Entre de cabeça e coração e partilhe de tudo.

Palavras-Chaves: Chiado, Poesia, Nacional

Leonardo Lopes da Silva (36) é brasileiríssimo e autor de um dos livros mais profundos que poderemos ter contato nesta ou em qualquer outra vida. Inspirado pela vida a descrever seus sentimentos, vontades e desejos de alguma forma, Leonardo começou a descobrir o universo fantástico e mágico da poesia. Um universo onde poderemos ir de encontro aos seus sentimentos, vontades e desejos.

o que me impressiona na escrita do autor é a energia transmitida em suas linhas. É quase impossível ler um único poema escrito por Leonardo Lopes e não sentir-se em êxtase.  Suas palavras evocam nossos sentimentos, tocando-nos fatalmente no ponto da questão, indo de encontro ao nosso eu adormecido. 

 Os próximos artigos a venda serão os sentimentos entalados diet ou sem conservantes sem efeito — pág. 29. 

És o que queres ser, sem uma gota a ser perdida sequer. Sem querer és, se olhares atrás observares a dança de roda de imensidão de vozes, de visões e silentes vazios. Esvai esvazia esta torrente estanque esturricante do querer ser — pág. 119

COMENTÁRIOS PESSOAIS

Devo dizer que faltaram-me até as palavras para descrever esta obra ao final da leitura e até mesmo em uma indicação. Existem obras que falam por si só, existem manuscritos que transmitem muito mais do que aquilo que seremos capazes de um dia expressar. Assim como existe Leonardo Lopes e sua capacidade descritiva e prolífica em transformar e transcender sentimentos em forma de poesia.  
Tecnologia do Blogger.