Ads Top

[RESENHA #178] A fortaleza, mundo sombrio, de Dayanne Fernandes

Acervo Pessoal | Divulgação

A fortaleza, mundo sombrio. FERNANDES, Dayanne. São Paulo: Tribo das Letras, 2016, 236p ISB 978-856-720-859-6 / R$ 2,99 (e-book)

2070. Após uma guerra nuclear entre as grandes nações, a vida na superfície terrestre se extinguiu. Antes do fim, um conselho de sobrevivência foi fundado e a única saída para evitar a extinção da humanidade foi a construção de gigantescos complexos estruturais no interior do planeta. Esses complexos são chamados de As Fortalezas. Entretanto, na Fortaleza número 7, um império regado a sangue se ergueu, subjugando a todos. Cansados da repressão, um grupo de sobreviventes começa a formar uma resistência às escondidas e durante uma missão de resgate sua líder salva a vida de um desconhecido, mudando o destino de toda a raça humana. Nesse mundo sombrio, a morte é um sacrifício exigido para alcançar a liberdade e alguns males são tão irremediáveis, que podem ultrapassar tempos e mundos.


Uma história que deu certo, com personagens e momentos de puro êxtase. "A fortaleza", é um livro catalogado dentro do gênero distopia, que traz todo climax e ênfase de um mundo no universo do pós-guerra. O ano é 2070, quase toda a população mundial desapareceu por conta da guerra nuclear, e os poucos que restam ou estão perdidos e desorientados, ou simplesmente não sabem quem são. Estes sobreviventes foram divididos em duas classes/divisões, sendo "os escolhidos" e os "não identificados". A partir deste momento, nossa protagonista nos é apresentada, Camile. Camile é a representante de um grupo militante /resistentes que lutam contra o sistema imposto nos arredores da Fortaleza Nº 7.  O climax da história começa quando a líder do grupo de resistência (Camile) decide ajudar Adam, um garoto com traços interessantíssimos, que aparentemente, não lembra-se de absolutamente nada do que aconteceu consigo. A missão de Camile agora é uma só, ir em busca de algumas anotações feitas por Adam a respeito de um projeto que mantem todo o suspense da história, mesmo com suspense, Camile o grupo partem para uma missão suicida rumo ao desconhecido.

Mundo Sombrio é o primeiro livro de uma duologia que se completa em "Mundo obscuro". 

Impossível ler este livro e não lembrar de Maze Runner, do autor americano James Dashner. Alguns pontos da história escrita por Dayane batem de frente com algumas situações também impostas por Dashner em seus livros. O universo pós-guerra/apocalíptico, personagens despersonalizados (não sabem quem são, de onde vem, etc) e um local de refúgio imposto por uma sociedade desconhecida, onde um grupo de extremistas/militantes/resistentes partem em busca de respostas. 

Mas é claro que a história de Dayane Fernandes possuí todo um frescor de suspense, ação e muito, muito mistério. O primeiro volume desta duo, é realmente repleto de revira-voltas e completamente imprevisível. A autora possuí uma forma peculiar de escrita, onde a leitura flui perfeitamente em todos os momentos.

A fortaleza é um sistema criado para funcionar como um abrigo no pós-guerra, só que não foi bem assim que aconteceu. Neste sistema, as pessoas que não eram capacitadas para exercer tarefas que fossem de utilidade para o sistema, eram mortas ou vendidas, já se você era escolhido, tornava-se um escravo (ou quase um), assim nasceu uma militância governada por uma jovem chamada Camile, que lutava contra este sistema que aprisionava, torturava e matava as pessoas as quais deveriam proteger.

A história gira em torno das aventuras dos "Fantasmas das sombras", liderados por Camile para ajudar uma classe menos favorecida. Sempre atuando na escuridão e "por baixo do nariz do governador" e dos sentinelas, e pela busca de respostas, já que existem tantas perguntas e nenhum meio de respondê-las.

COMENTÁRIOS PESSOAIS
Acervo Pessoal | Divulgação

Este é o primeiro livro da autora Dayanne Fernandes que tive o prazer de ler, espero ler o segundo volume desta duologia. Esta é uma distopia que realmente prende o leitor do início ao fim e existem alguns pontos que tornam a história tão interessante, e eu gostaria de compartilhar estas pontuações com vocês. Sendo elas: 

  1.  A personalidade de cada personagem. A autora do livro é psicóloga, e soube trazer muito de seus estudos para a construção de seus personagens. Tanto Camile, quanto Adam ou qualquer outro personagem possui uma personalidade forte e própria, e claro, cada um possui sua importância dentro do enredo.
  2. A representante das minorias é uma figura feminina. Não é a primeira vez que uma mulher domina o enredo de um livro, só que me sinto na obrigação de citar isso como algo que chama a minha atenção. Camile parece um pouco confusa com tudo, mas sua busca pela verdade e sua luta pelas minorias com certeza tornou o livro interessantíssimo. 
  3. O foco é algo que fica evidente neste livro. Devo dizer que tanto o foco da autora em escrever uma boa história, quanto o foco de seus personagens em sua missão, é algo louvável e admirável.
  4. Suspense e uma continuação que promete. O livro é um suspense atrás do outro e muita ação. Se você é como eu, que sente-se fadigado facilmente com situações de extremo perigo ou desespero, bem vindo ao clube. Este livro foi feito para você que adora perder o fôlego com uma leitura intrigante e complexa.
Levando em consideração todas as pontuações acima e as ponderações a respeito do enredo, devo acrescentar que este livro é realmente uma das poucas obras distópicas que li este ano que ficaram gravadas em minha memória. Indicado para todo grande fã de uma boa distopia. 

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.