Responsive Ad Slot

LANÇAMENTOS

lançamentos

[RESENHA #236] O acaso das manhãs, de Milton Carlos Rezende

terça-feira, maio 01, 2018

/ by Vitor Lima
Foto: Divulgação

REZENDE. Milton Carlos. O ACASO DAS  MANHÃS. São Paulo: Edicon, 1º Ed, 1986.

Após nos fascinar com sua escrita em “Mais uma xícara de café” (Ed. PENALUX, 2018), Milton Rezende retorna ao nosso blog com mais uma de suas obras emblemáticas e encantadoras, desta vez o livro é “o acaso das manhãs”, publicado em 1986 pela Edicon. Em uma narrativa linear – como um conto que segue uma ordem cronológica – Milton nos convida à conhecer o mundo sensível dos sentidos aflorados de nosso cotidiano. Em 77 páginas, o autor tece uma narrativa instigante acerca dos sentimentos humanos, das fraquezas, ilusões, e sobretudo, da sensibilidade que envolve o existir.  

O poema de abertura desta obra foi intitulado de “Noturno”, onde o autor mostra-nos a fragilidade dos sentimentos que envolvem a existência do homem, uma vez que, nossos passos são como a vida – ela passa – e inevitavelmente outros passos cobrirão os nossos e virão sucessivamente, até que se cumpra um ciclo de caminhadas para rumo algum.

Se Delimitarmos este pequeno espaço
Onde está agora o número 38 de meus pés
É certo não haver convergência de um todo
Pois sou muitos na unidade do nada
E caminhamos divorciados no tempo.
(NOTURNO, p. 09)

Mas é claro que ao abordar a vida de forma tão singela – e sensível – o autor trabalhou também as questões que envolvem todos os momentos do homem com relação a sua busca por saciedade:

Um momento cristalizou
Todos os outros momentos
Um momento trouxe à tona
Todos os outros momentos
De uma sublimação dissimulada.
Um momento estabeleceu o paradoxo
Entre o que se quer concretamente
E o que se assume perante a consciência
Para fugir do inevitável.
(UM MOMENTO...TODOS OS MOMENTOS, p. 25)

E por fim, em um dos poemas presentes na página número 46, o autor após desenhar o perfil do humano como sendo sensível em demasia, decide esclarecer toda esta complexidade por trás dos sentimentos e arrependimentos que carregamos, tudo isso em considerações a respeito do homem.
O homens
Não sabem que são homens
Se soubessem, rejeitariam o nome.
(p.46)

É claro e certo que todos nós encontramos uma nova fraqueza e um novo motivo para desistir a cada amanhecer. E é exatamente sobre isto que esta obra retrata: Sentimentos que se perdem e pessoas que não se definem como sendo quem são, afinal, seus sentimentos e sua existência são demasiadamente sensíveis demais para lhe permitir sentir.

A obra é tão intensa quanto a escrita mais recente do autor na obra citada no início desta resenha. Um bom poema mantém em si a essência de uma boa escrita e de um misto de sentimentos. E isto, Rezende nos promove com eficiência.

Nenhum comentário

Talvez você se interesse...
© all rights reserved
made with by Google